SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número50Ocio Cibernético en Trabajadores de Instituciones Públicas y Privadas de ArequipaRelación entre Calidad de Vida en el Trabajo y Síntomas de Estrés en el Personal Administrativo Universitario índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • En proceso de indezaciónCitado por Google
  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO
  • En proceso de indezaciónSimilares en Google

Compartir


Ciencia & trabajo

versión On-line ISSN 0718-2449

Cienc Trab. vol.16 no.50 Santiago ago. 2014

http://dx.doi.org/10.4067/S0718-24492014000200006 

 

ARTÍCULO ORIGINAL

 

Prevalência de Acidentes Com Material Biológico em um Municipio do Noroeste de São Paulo, Brasil, no Periodo de 2007 a 2011

Prevalence of accidents with biological material in a northwest area town of São Paulo state, Brazil, From 2007 to 2011

 

Ronald Jefferson Martins1, Suzely Adas Saliba Moimaz1, Artênio José Isper Garbin1, Patrick Raphael Vicente Gonçalves1, Cléa Adas Saliba Garbin1

1. Profesor del Programa de Postítulo en Odontología Preventiva y Social de la Facultad de Odontología de Araçatuba, Universidad Estatal Paulista. Brasil.
2. Coordinadora del Programa de Postítulo en Odontología Preventiva y Social de la Facultad de Odontología de Araçatuba, Universidad Estatal Paulista. Brasil.
3. Alumno del Programa de Postítulo en Odontología Preventiva y Social de la Facultad de Odontología de Araçatuba, Universidad Estatal Paulista. Brasil.

Correspondencia a:


 

RESUMEN:

Objetivou-se nesse trabalho verificar a prevalência das notificares de acidentes envolvendo material biológico que acometeram os profissionais da área da saúde, em especial de saúde bucal, em um municipio da região noroeste do Estado de São Paulo, Brasil. A coleta dos dados foi realizada por meio das notificações de acidentes de trabalho com material biológico no periodo de 2007 a 2011. Do total de notificações (n=377), 353 (93,6%) eram de profissionais do sexo feminino. O tipo de exposição mais relatada foi á percutânea 359 (95,2%) e o sangue o material biológico referido na maioria das noti­ficações 334 (88,6%). Apenas 21 (5,6%) notificações eram da equipe odontológica, sendo que o acidente ocorreu na maior parte com o cirurgiãodentista 14 (66,7%) e durante procedimentos clinicos 16 (76,2%). A prevalência das notificações de acidente com material biológico entre as equipes odontológicas foi pequena nesse periodo, sugerindo a possibilidade de haver subnotificação; além de ser obser­vado o preenchimento incompleto da mesma. (Jefferson R, Saliba S, Ísper A, Vicente P, Saliba C, 2014. Prevalência de Acidentes Com Material Biológico em um Municipio do Noroeste de São Paulo, Brasil, no Periodo de 2007 a 2011.

Palabras claves: EXPOSICÁO A AGENTES BIOLÓGICOS, NOTIFICACÁO DE ACIDENTES DE TRABALHO, ACIDENTES DE TRABALHO, RECURSOS HUMANOS EM SAÚDE.


ABSTRACT:The objective of this study is to determine the prevalence of reports of accidents involving biological material which affected health professionals, especially dental health ones, in a city in the north­western region of São Paulo State, Brazil. Data collection was con­ducted through the notification of accidents with biological material from 2007 to 2011. There were 377 notifications, in which 353 (93.6%) had female professionals involved. The most reported type of exposure was the percutaneous in 359 cases (95.2%) followed by blood in 334 cases (88.6%) which is the most mentioned biological material in the reports. Only 21 (5.6%) notifications were from den­tal staff and occurred mostly with the dentist, 14 times (66.7%) and 16 times (76.2%) during clinical procedures. The prevalence of bio­logical accidents among dental teams was little in this time, which suggests the possibility of underreporting, in addition to being sub­ject to the partial fulfillment of the same.

Keywords: EXPOSURE TO BIOLOGICAL AGENTS, OCCUPATIONAL ACCIDENTS REGISTRY, ACCIDENTS, OCCUPATIONAL, HEALTH MANPOWER.


Introducción

A prática diária com instrumentos perfurocortantes e sangue no desenvolvimento das atividades laborais, expoe os profissionais da área da saúde a grande variedade de microorganismos patogénicos, tornandoos susceptiveis a sofrerem infecções pela exposição á material biológico.1

Estudos realizados no Brasil e em diferentes partes do mundo mostram grande número acidentes com material biológico entre estes profissionais.2-4 A Lei n° 6.367, de 19 de outubro de 1976 define o acídente de trabalho e equiparao em seu § 1°, IV como "a doenca procedente de contaminação acidental de pessoa da área médica, no exercício de sua atividade".5

Frente ao acidente, a empresa empregadora é responsável pela emissao da Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) e o encaminhamento da mesma ao acidentado, ao hospital, ao sindicato da categoría correspondente, ao Sistema Único de Saúde, á Previdéncia Social e ao Ministério do Trabalho.6 O prazo máximo para a comunicação depende da categoria pública ou privada dos trabalhadores, além do regime juridico no qual o trabalhador se encontra. A CAT visa resguardar os direitos previdenciários do trabalhador, sendo fundamental para o recebimento de beneficios em caso de doencas e acidentes de trabalho.7

Além disso, o estabelecimento de saúde contratante deverá preencher a ficha de notificação de acidentes do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Segundo a Portaría n°777/ GM, de 28 de abril de 2004, em seu art. 1°, § 1°, o acidente com exposição á material biológico é agravo de notificação compulsória.8 O SINAN consiste em um banco de dados que fornece informações fundamentais para vigiláncia epidemiológica e controle de doencas e contribui para a tomada de decisoes nas trés esferas de governo (municipal, estadual e federal).9

A notificação da ocorrências desse tipo de acidente permite o conhecimento da incidéncia, distribuição e caracteristicas dos acidentes, permitindo que estratégias preventivas sejam elaboradas, além de assegurar ao trabalhador o direito de receber avaliação médica especializada, tratamento adequado e beneficios trabalhistas.10 Baseado no que foi relatado, objetivouse nesse trabalho verificar a prevalência de acidentes envolvendo material biológico que acometeram os profissionais da área da saúde, em especial de saúde bucal, em um municipio da região noroeste do Estado de São Paulo, Brasil.

Metodologia

Tratase de um estudo transversal descritivo, com uma abordagem quantitativa. O universo da pesquisa constituiuse por todas as fichas de notificação de acidentes com material biológico dos profissionais da área da saúde da Vigiláncia Epidemiológica do municipio de Aracatuba-SP, no periodo de 2007 a 2011. O instrumento utilizado para a coleta dos dados foi uma ficha adaptada, baseada na ficha do SINAN9, que contemplava o perfil dos trabalhadores acidentados e as caracteristicas dos acidentes, conforme as seguintes variáveis: sexo, idade, ocupação, tipo de exposição, material orgánico envolvido, circunstáncia do acidente, agente causador, uso de equipamento de proteção individual (EPI), além da evolução do caso. A partir da variável "ocupação", dividiuse os profissionais acidentados em duas categorías: Profissionais das Áreas da Saúde (PAS), contemplando médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e fisioterapeutas; e Equipe de Saúde Bucal (ESB), composta por cirurgioesdentistas e auxiliares em saúde bucal, a fim de comparar as notificações entre estas duas categorias. Os dados obtidos foram descritos em uma planilha no programa Excel, e posteriormente tabulados e analisados por meio do programa Epi Info, versao 3.5.2 e a estatistica descritiva foi reali­zada.

A pesquisa foi conduzida dentro dos padroes exigidos pela Resolução 466 de 12/12/2012 do Conselho Nacional de Saúde e aprovado previamente pelo Comité de Ética em Pesquisa em Seres Humanos da Faculdade de Odontologia de Aracatuba-UNESP, processo FOA-0694/10.

Resultados

Foram observadas 377 fichas de notificação de acidentes envolvendo material biológico no periodo, sendo 356 notificações (94,4%) que envolveram os PAS e 21 (5,6%) que acometeram a ESB (Tabla 1).

Tabla 1

Notificações de acídente de trabalho segundo sexo, faixa etária e cate­goría professional.

Com relação ás caracteristicas dos acidentes entre os PAS e a ESB, pode ser destacada como a mais frequente entre os grupos a exposição do tipo percutânea (97,2% e 95,2%, respectivamente) e o sangue como o material biológico mais frequente envolvido no infortúnio profissional (88,5% e 95,2%, respectivamente). De acordo com a circunstáncia do acidente, constatouse uma grande variedade de procedimentos que tornaram todos os profissionais susceptiveis á ocorrências de acidentes com material biológico. Dentre os achados do presente estudo, os PAS referiram o teste de glicemia capilar como a maior causa de acidentes (77,8%), enquanto a ESB apresentou um maior percentual (76,2%) durante procedimentos clinicos rotineiros, tendo como maior número de agentes casuais, entre os dois grupos, láminas e agulhas (77,8% e 61,9%, respectivamente) (Tabla 2).

Tabla 2

Notificações de acidente de trabalho segundo tipo de exposição, material orgánico envolvido, circunstancia do acidente e agente.

O uso de Equipamento de Proteção Individual entre os dois grupos profissionais estao dispostos na Tabla_3. Frente ao uso de EPI, verificouse que a maioria dos PAS referiu o uso de avental (88,2%) e luvas (96,6%), enquanto a ESB relatou um maior uso de avental (85,7%), luvas (85,7%), máscara (76,2%) e óculos de proteção (57,1%).

Tabla 3

Profissionais da área da saúde e da equipe de saúde bucal segundo o uso de Equipamento de Proteção Individual (EPI).

No que diz respeito á evolução de todos os casos notificados, os dados demonstraram que em 354 ocorrênciass (93,9%) o profissional acidentado estava vacinado contra a hepatite B, em 350 notificações (92,8%) o pacientefonte era conhecido, o que resultou na nao indicação de quimioprofilaxia em 349 casos (92,6%). Dentre o total de acidentes, houve alta sem conversao sorológica em 288 pacientes (76,4%). Importante observação é que em 360 fichas de notificação (95,5%) nao haviam informações a respeito da Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT), o que impossibilitou o conhecimento sobre sua emissao (Tabla 4).

Tabla 4

Notificações de acidente de trabalho segundo situação vacinal do acidentado, conhecimento da fonte, conduta no momento do acidente, evolução do caso e preenchimento da Comunicação de Acidente de Trabalho.

Discusión

A tendéncia a feminização das profissoes da área da saúde é um fato observado em vários estudos.11 No presente trabalho, o género predominante foi o feminino (93,9%) entre todas as notificações encontradas, fato que corrobora outros achados envolvendo profissionais e académicos de diversas áreas da saúde.12-14 Esse fenómeno pode ser explicado pelo aumento do nivel de escolaridade e acesso ás universidades pelas mulheres e consequentemente a postos de trabalho melhor remunerados.15

Dentre todas as notificações, os Auxiliares de Enfermagem e os Enfermeiros foram ás categorias profissionais que apresentaram maiores indices de acidentes, como também observado em outros achados14,16, possivelmente devido ao fato do frequente manuseio de perfurocortantes na prática laboral diária.

Ao analisar os dois grupos de profissionais separadamente (PAS e ESB), notase que em ambos os grupos, o tipo de lesao percutânea foi responsável pela maior parcela de acidentes. Esse tipo de acidente é usualmente relatado na literatura como a maior causa de injúrias envolvendo material biológico14,16-19 e a que apresenta elevada probabilidade de soroconversao, onde o risco do indi­viduo adquirir o HIV é em média de 0,3% (IC 95% = 0,2-0,5%), Hepatite B de até 40% em exposições onde o paciente-fonte apresenta sorologia HBsAg (antigeno "s" do virus da hepatite B) reativa e Hepatite C de 1,8% em média, variando de 1 a 10% dependendo do teste utilizado para diagnóstico.7

Com relação á circunstáncia do acidente, os PAS relataram, em sua maioria, que o infortúnio aconteceu durante a execução do Teste de Glicemia Capilar, enquanto a ESB referiu que os acidentes ocorreram durante a prática de procedimentos clinicos rotineiros.

Em ambos os grupos, o sangue foi o material biológico mais envolvido. Já quanto aos agentes causadores, as láminas foram responsáveis pelos acidentes nos PAS e ás agulhas na ESB. Tais achados concordam com os resultados de outro estudo.12

Após exposição a material biológico, o risco de transmissao de patógenos veiculados por fluidos orgánicos é variável e depende da gravidade e do tipo de acidente, presenca e volume de sangue envolvido, das condições clinicas do paciente-fonte e da aceitabilidade e correta profilaxia pós-exposição.16 Nesse contexto, é importante o conhecimento da sorologia do paciente-fonte, pois quando negativa, evitará o inicio do esquema profilático anti-HIV que é complexo, pois leva em consideração o tipo de acidente e o risco de toxicidade dos medicamentos anti-retrovirais.7

A fim de evitar os acidentes ocupacionais com material biológico, é necessário que o profissional adote comportamentos preventivos; entre eles o uso de EPIs. Entretanto, verificouse que alguns profissionais, entre os PAS e ESB, nao utilizavam todos os equipamentos de proteção, o que corrobora outros estudos.12,19 Este fato é preocupante, pois no desenvolvimento de toda atividade que envolva risco a exposição biológica, tornase necessário o uso de todos os EPIs. Ainda assim, nao há proteção contra acidentes com material perfurocortante, fazendo-se necessária a prevenção da ocorrências do mesmo.7

Apesar da maioria dos profissionais ser vacinado contra Hepatite B, a maior parte era nao respondedor (nao desenvolveram anti-corpos). Na auséncia de resposta vacinal adequada após a primeira série de vacinação (trés doses), deve ser solicitado o exame de HBsAg a fim de descartar a possibilidade desses profissionais apresentarem infecção crónica pelo HBV. Após deve ser feita uma segunda série do esquema vacinal. O profissional de saúde ainda nao respondedor, deverá ser considerado como susceptivel á infecção pelo HBV e no caso de exposição á material biológico, utilizar a imunoglobulina hiperimune contra Hepatite.7 Frente ao acidente com material biológico, o pronto socorro municipal é a porta de entrada do paciente acidentado. Neste ambiente acontece o primeiro atendimento ao profissional, com a verificação da necessidade da realização de quimioprofilaxia, que é determinada pelo tipo de acidente e sorologia do paciente-fonte. Após o atendimento inicial, o acidentado é encaminhado para o Servico de Atendimento Especializado (SAE - DST/AIDS), onde é preenchida a ficha do SINAM e realizado o acompanhamento do acidentado pelo periodo de 6 meses, onde o individuo poderá apresentarse ao SAE - DST/AIDS com ou sem a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT). No caso do profissional acidentado ser empregado de uma empresa pública ou privada, ele deverá comunicar imediatamente o profissional superior a ele, que fará um relatório para o Servico Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT). Nesse relatório será descrito o acidente e emitida a CAT pelo médico que realizou o atendimento, processo que nao ocorre com os profissionais liberais, por exemplo.

No presente estudo, observouse baixa quantidade de notificações envolvendo a equipe odontológica. Tal fato pode estar ligado realmente ao pequeno número de acidentes ou mais provavelmente a subnotificação dos mesmos, o que dificulta o rastreamento da real ocorrências dessas injúrias e como consequéncia impede a elaboração de estratégias com o intuito de prevenir a integridade fisica do profissional de odontologia. A subnotificação de acidentes na área da saúde pode ser originada pela falta de conhecimento sobre o risco de contaminação, ou de informação sobre a necessidade do registro, ou ainda pela crenca que a severidade do acidente com material biológico é pequena, nao caracterizando a necessidade de notificação.10,20,21

Além disso, verificouse em concordância com outros autores, que grande quantidade de informações nao estava preenchida nas fichas de notificação do acidente, principalmente no tocante á emissao da CAT.12,22 A subnotificação da exposição ocupacional a material biológico ou o preenchimento incompleto da notificação constituem obstáculos para a identificação de riscos e fatores associados com a exposição e sugere a desinformação dos acidentados em relação aos aspectos epidemiológicos e juridicos envolvidos neste processo.20

 

Referencias

1. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção á Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Exposição a materiais biológicos [em linha]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2006 [consultado 29 ago 2013]. Disponible en: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicações/protocolo_expos_mat_biologicos.pdf         [ Links ]

2. Panlilio AL, Orelien JG, Srivastava PU, Jagger J, Cohn RD, Cardo DM. Estimate of the annual number of percutaneous injuries among hospital-based healthcare workers in the United States, 1997-1998. Infect Control Hosp Epidemiol. 2004; 25(7):556-562.         [ Links ]

3. SÁO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Coordenadoria de Controle de Doengas. Centro de Vigilancia Epidemiológica "Alexandre Vranjac". Centro de Referéncia e Treinamento em DST/Aids - CRT-DST/AIDS-SP. Programa Estadual de DST/Aids de São Paulo. São Paulo: Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo; 2012. (Boletim epidemiológico C.R.T. - DST/AIDS. C.V.E.         [ Links ]).

4. Schneeberger PM, Meiberg AE, Warmelts J, Leenders SCAP, Van Wijk PTL. Registration of blood exposure accidents in The Netherlands by a nationally operating call. Infect Control Hosp Epidemiol. 2012; 33(10):1017-1023.         [ Links ]

5. BRASIL. Lei n° 6.367, de 19 de outubro de 1976. Dispoe sobre o seguro de acidentes do trabalho a cargo do INPS, e dá outras providéncias. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 21 dez. 1976.         [ Links ]

6. Silva JA, Paula VS, Almeida AJ, Villar LM. Investigação de acidentes biológicos entre profissionais de saúde. Esc Anna Nery. 2009; 13(3):508-516.         [ Links ]

7. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Coordenação Nacional de DST e Aids. Manual de condutas: exposição ocupacional a material biológico: hepatite e HIV [em linha]. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2000 [consultado 29 ago 2013]. Disponible en: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicações/manual_condutas_hepatite_hiv.pdf        [ Links ]

8. BRASIL. Portaria n°777/GM, de 28 de abril de 2004. Dispoe sobre os procedimentos técnicos para a notificação compulsória de agravos á saúde do trabalhador em rede de servigos sentinela específica, no Sistema Único de Saúde -SUS. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 29 abr. 2004.         [ Links ]

9. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigiláncia em Saúde. Departamento de Vigiláncia Epidemiológica. Sistema de informação de agravos de notificação: Sinan: normas e rotinas. 2a ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.         [ Links ]

10. Marziale MHP. Subnotificação de acidentes com perfurocortantes na enfermagem. Rev Bras Enferm. 2003; 56(2):164-168.         [ Links ]

11. Matos IB, Toassi RFC, Oliveira MC. Profissoes e ocupações de saúde e o processo de feminização: tendéncias e implicações. Athenea Digital. 2013; 13(2):239-244.         [ Links ]

12. Vieira M, Padilha ML, Pinheiro RDC. Análise dos acidentes com material biológico em trabalhadores da saúde. Rev Latino-Am Enferm. 2011; 19(2):332-33.         [ Links ]

13. Nascimento LS, Assunção LR, Silva RLC, Pedreira EN. Acidentes com pérfuro-cortantes na Faculdade de Odontologia da UFPA: visualização de um cenário. ROBRAC. 2012; 21(57):463-467.         [ Links ]

14. Marziale MHP, Rocha FLR, Robazzi MLCC, Cenzi CA, Santos HEC, Trovó MEM. Influéncia organizacional na ocorrências de acidentes de trabalho com exposição a material biológico. Rev Latino-Am Enferm [em linha] 2013; 21(Esp.):1-8 [consultado 29 ago 2013]. Disponible en: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21nspe/pt_25.pdf         [ Links ]

15. Costa SM, Duraes SJA, Abreu MHNG. Feminização do curso de odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros. Ciénc Saúde Colet. 2010; 15(supl.1):1865-1873.         [ Links ]

16. Oliveira AC, Paiva MHRS. Análise dos acidentes ocupacionais com material biológico entre profissionais em servigos de atendimento pré-hospitalar. Rev Latino-Am Enferm. 2013; 21(1):309-315.         [ Links ]

17. Garcia LP, Blank VLG. Prevalência de exposições ocupacionais de cirurgiões-dentistas e auxiliares de consultório dentário a material biológico. Cad Saúde Pública. 2006; 22(1):97-108.         [ Links ]

18. Orestes-Cardoso SM, Farias ABL, Pereira MRMG, Orestes-Cardoso AJ, Cunha Júnior I. F. Acidentes perfurocortantes: prevalência e medidas profiláticas em alunos de odontologia. Rev Bras Saúde Ocup. 2009; 34(119):6-14.         [ Links ]

19. Sasamoto AS, Tripple AFV, Leles CR, Silva ET, Paixa EMM, Souza CPS, Dourado LM. Perfil de acidentes com material biológico em uma instituição de ensino odontológico. ROBRAC. 2010; 19(50):251-257.         [ Links ]

20. Napoleao AA, Robazzi MLC, Marziale MHP, Hayashida M. Causas de subnotificação de acidentes do trabalho entre trabalhadores de enfermagem. Rev Latino-Am Enferm. 2000; 8(3):119-120.         [ Links ]

21. Damasceno AP, Pereira MS, Silva e Souza AC, Tipple AFV, Prado MA. Acidentes ocupacionais com material biológico: a percepção do profissional acidentado. Rev Bras Enferm. 2006; 59(1):72-77.         [ Links ]

22. Paiva MHRS, Oliveira AC. Fatores determinantes e condutas pós-acidente com material biológico entre profissionais do atendimento pré-hospitalar. Rev Bras Enferm. 2011; 64(2):268-273.         [ Links ]

 

Correspondencia:

Ronald Jefferson Martins
Departamento de Odontología Infantil y Social
Facultad de Odontología de Araçatuba, Universidad Estatal Paulista.
R. José Bonifacio N° 1193, Barrio Vila Mendonga, Araçatuba, SP, Brasil.
Tel: (55 18) 3636-3250 e-mail: rojema@foa.unesp.br

Recibido el 24 de Abril de 2014 / Aceptado el 07 de Julio de 2014.