SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número3-4DISTRIBUCION TOPOGRAFICA DE Pimeliaphilus zeledoni (ACARI: PTERYGOSOMATIDAE) EN SU HOSPEDADOR Triatoma dimidiata (LATREILLE, 1811) (HEMIPTERA: REDUVIIDAE)OCORRÊNCIA DO BERNE, Dermatobia hominis (DIPTERA: CUTEREBRIDAE) EM VARIOS HOSPEDEIROS, NO RIO DE JANEIRO, BRASIL índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Parasitología al día

versão impressa ISSN 0716-0720

Parasitol. día v.22 n.3-4 Santiago jul. 1998

http://dx.doi.org/10.4067/S0716-07201998000300006 

TRABAJO DE INVESTIGACION

DESENVOLVIMENTO POS-EMBRIONARIO DE Cochliomyia
macellaria
(FABRICIUS) (DIPTERA: CALLIPHORIDAE)
CRIADA EM DIETAS NATURAIS PROCESSADAS EM
CONDIÇÕES CONTROLADAS

MARIA JOSE PAES* Y ELIANE M. . MILWARD-DE-AZEVEDO*

* Departamento de Parasitologia Animal, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 23851-970, Seropédica, RJ, Brasil, Bolsista do CNPq.

POST-EMBRYONARY DEVELOPMENT OF Cochliomyia macellaria (FABRICIUS)
(DIPTERA: CALLIPHORIDAE) REARED ON NATURAL DIETS PROCESSED IN
CONTROLLED CONDITIONS.

The performance of Cochliomyia macellaria (Fabricius) immature forms was evaluated in experimental conditions. Larvae were reared on equine meat and of sardine diets stored in an oven at 30 °C for different periods of time. Fresh diets lots were first stored in a freezer (- 15 °C) and transferred to a refrigerator for 24 hours. Portions of the equine meat and of the sardine were then sucessively stored at 30 °C for 96, 72, 48 and two hours, and, 72, 48, 24 and two hours, respectively. One sample was caracterized by the maintence of the diet in refrigerator, among 11 days, when red meat was utilized. One-hundred g diet in 4 replications/ treatment and 2 g diet per 1 larva ratio were used. The postfeeding larvae were separated and weighed individually. The rate of postembryonic development was not homogenously affected by previous storage of the diet at 30 °C, using horse meat. An expressive percentual of postfeeding larvae obtained from the substrates processed for 48 and 96 hours weighed less than 60,0 mg. The emergence of adults stayed between 73 e 97%. The rate of postembryonic development was reduced when the sardine diet was used previously maintened at 30°C for 72 hours. The postfeeding larvae obtained from the substrates processed, in this temperature, for two, 24 e 48 hours weighed between 57,0 and 65,0 mg. The mean weight of specimens from the remaining treatment was significantly lower (50,0 mg). The rate of immature forms survival ranged from 68 - 88 %
Key words: Cochliomyia macellaria; natural diet; necrophagous blowfly; postembryonic development; secondary screwworm.

INTRODUÇÃO

Carcaças de pequenos animais, vísceras de galinha, sardinha, fezes humanas, lixo urbano e frutas tropicais tem alicerçado o monitoramento de populações de califorídeos autóctones e exóticos, na América do Sul.1-5 Neste contexto, os estudos que visam o reconhecimento da idade fisiológica de fêmeas muscóides sapronecró-fagas, no meio ambiente, além de orientarem análises sobre o comportamento reprodutivo das espécies, podem esclarecer as relações dietéticas e as condições que permitem o desenvolvi-mento de seus imaturos. Admite-se, portanto, que os resultados obtidos a campo instruam a utilização de determinados substratos alimentares pelas diferentes classes etárias mantidas sob condições de cativeiro. Por outro lado, o controle de qualidade da criação de insetos, em média e larga escala, em laboratório, está fundamentado, entre outras premissas, na padronização de dietas naturais e/ou sintéticas, que maximizem a produtividade e o desempenho da população estabelecida.

Verificou-se que o peixe mostrou ser a isca mais atrativa para imagos de Cochliomyia macellaria (Fabricius), dentre os substratos orgânicos testados.3, 6-8 A utilização deste recurso natural, em armadilhas, subsidiando inventários de muscóides necrófagos, foi detalhada por Carraro.9 Este autor elegeu a sardinha como fonte de cairomônios e destacou que, 72 horas após a alocação da isca fresca nas armadilhas, o número de adultos de C. macellaria capturados aumentou acentuadamente.

Neste bioensaio, inicialmente, foi monitorado o desempenho de imaturos de C. macellaria criados em uma dieta natural, a base de carne equina previamente armazenada em baixas temperaturas e, posteriormente, processada sob condições controladas de temperatura. Objetivou-se, nesta primeira etapa, estimar a margem de erro, possi-velmente incluída em diagnósticos biométricos comparativos, ao manusear-se, aleatoriamente, este meio alimentar.

Por outro lado, a facilidade na obtenção de sardinha no mercado regional, que inclui a redução de custos operacionais, motivou a elaboração de ensaios que permitiriam interpretar o potencial deste substrato alimentar na manutenção de estoques de dípteros necrófa-gos.10, 11 Assim, especulações relativas ao desempenho de imaturos de C. macellaria, criados em sardinha processada a 30°C de temperatura, por intervalos regulares de tempo, foram introduzidas.

MATERIAL E METODOS

O estabelecimento e a manutenção do estoque de C. macellaria seguiram a orientação descrita por Cunha-e-Silva & Milward-de-Azevedo.12

Durante a primeira etapa experimental, utilizou-se, como substrato alimentar, carne equina proveniente de uma necrópsia; a sardinha foi adquirida em mercados municipais. Os testes foram realizados com neolarvas pertencentes a terceira e a décima segunda geração, respectivamente.

A metodologia empregada, durante a etapa experimental, foi detalhada por Santos et al.10 Os substratos inata foram previamente separados em lotes e armazenados em freezer (-15°C de temperatura). Posteriormente, e em dias consecutivos, os lotes foram alocados em um refrigerador, permitindo seu descongelamento gradual por um período de 24 horas. Em seguida, foram sucessivamente transferidos para uma estufa regulada a 30 °C de temperatura e mantidos, nesta condição, durante 96, 72, 48, 24 e duas horas (carne equina) e 72, 48, 24 e duas horas (sardinha). Uma amostra de carne equina foi conservada, em refrigerador, durante 11 dias, de acordo com a metodologia empregada por Cunha-e-Silva & Milward-de-Azevedo.12 Cada tratamento constou de quatro repetições. Foram inoculadas 50 neolarvas em 100 g do substrato, por repetição. As amostras foram, em seguida, alocadas em uma câmara climatizada regulada a 30°C de temperatura, 60 ± 10% de UR e 14 horas de fotofase. Logo após o abandono espontâneo das dietas, as larvas foram individualizadas, procedendo-se, imediatamente, o registro de suas massas corporais. Os adultos foram separados por sexo.

As observações foram diárias. Correlaciona-ram-se as massas corporais obtidas pelas larvas após o abandono espontâneo das dietas com a taxa de emergência. Considerou-se, como adultos anormais, as imagos que apresentavam asas vestigiais. Os resultados foram submetidos à análise de variância, sendo as médias comparadas pelo teste de Tukey-Kramer, ao nível de 5% de significância (a = 0,05). Os contrastes entre os percentuais de sobrevivência e emergência foram realizados após a transformação dos valores observados em arc seno Ö x.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados obtidos após a utilização de carne equina previamente processada a 30°C de temperatura, pelas larvas de C. macellaria, não caracterizaram tendências apreciáveis (Tabelas 1 e 2). Comportamento análogo foi registrado ao monitorar-se imaturos de Chrysomya albiceps (Wiedemann), califorídeo exótico, oriundos de adultos de olhos castanos, em condições de laboratório.13 A redução significativa da massa corporal de pré-pupariados de Chrysomya megacephala (Fabricius) foi relatada por Santos et al.14 ao utilizarem, como substrato larval, carne equina pré-acondicionada a 30°C por períodos superiores a 24 horas. Entretanto, a dieta não interferiu acentuadamente sobre a taxa de desenvolvimento e sobrevivência dos imaturos das moscas-das-latrinas.

 

Tabela 1. Duração do desenvolvimento pós-embrionário e massa corporal de larvas
maduras de Cochliomyia macellaria criadas em dieta natural à base de carne eqüina,

previamente armazenada a 30 °C de temperatura, por duas a 96 horas, e em refrigerador,
durante 11 dias, sob condições experimentais,
(Temperatura: 30 ° C; UR: 60 ± 10%;
14 h de fotofase)1


Massa corporal de larva madura (mg)
Tempo de
Armazenamento
da dieta
a 30 ºC
Estàgio larval
(dìas)
x ±S
Período de neolarva
a adulto
(dìas)
x ±S
x ±S

Coeficiente
de
variação %

2 h

  4,20 ± 0,08 ac
8,12 ± 0,09 a
65,08 ± 0,70 a
2,1

24 h

4,71 ± 0,07 b
8,53 ± 0,10 a
 63,72 ± 1,58 ab
4,9

48 h

  3,91 ± 0,08 cd
7,99 ± 0,05 a

56,24 ± 1,05 b

3,2

72 h

4,0   ± 0,03 cd
8,04 ± 0,05 a
 60,76 ± 2,91 ab
9,6

96 h

  4,35 ± 0,15abd
8,15 ± 0,07 a
56,85 ± 1,39 b
4,9
11 días
4,66 ± 0,17 ab
8,55 ± 0,26 a
   63,43 ± 1,74 ab
5,5
         

1 As médias seguidas pelas mesmas letras não diferem entre si, pelo teste de Tukey-Kramer de comparação múltipla, ao nível de 5% de significância.


 

Tabela 2. Taxa de sobrevivência larval, emergência de adultos e razão
sexual de Cochliomyia macellaria criada em dieta natural a base de carne
eqüina, previamente armazenada a 30 °C de temperatura, por duas a 96
horas, e em refrigerador, durante 11 dias, sob condições experimentais
(Temperatura: 30 ° C; UR: 60 ± 10%; 14 h de fotofase)

Tempo de
armazena-
mento da dieta
a 30°C
Sobrevivência
larval (%)
Emergência de
adultos (%)
Razão sexual

       

2 h

95,00 a
73,12 a
0,50
24 h
93,00 a
   86,58 ab
0,52
48 h
94,50 a
  88,60 ab
0,58
72 h
93,33 a
  94,45 ab
0,55
96 h
92,00 a
96,67 b
0,46
11 días
92,00 a
 82,48 a
0,53
       

1 As médias seguidas pelas mesmas letras não diferem entre si, pelo teste de Tukey-Kramer de comparação múltipla, ao nível de 5% de significância.


A Figura 1 apresenta a distribuição de adultos oriundos das diferentes amostras de C. macellaria, monitoradas em função da massa corporal interpretada através de intervalos regulares arbitrários. Um percentual expressivo de larvas criadas nas dietas previamente mantidas a 30°C de temperatura, durante 48 e 96 horas, incorporou uma menor quantidade de alimento (< 60,0 mg). Nos demais tratamentos, a maioria dos indivíduos apresentavam entre 60,0-70,0 mg ao abandonarem a dieta. Observou-se, nesta etapa experimental, a emergência de adultos oriundos de larvas maduras que apre-sentaram entre 20,0 e 29,9 mg. Apenas imaturos de C. macellaria que apresentarem massa corporal superior a 15-17 mg são capazes de potencializar o processo de pupariação.12, 15 No presente bioensaio, apenas um espécimen, criado na dieta previamente mantida a 30°C de temperatura, durante duas horas, registrou mais de 100 mg. Este imaturo viabilizou a emergência de um adulto normal. A causa do aumento da taxa de mortalidade de pupas, neste tratamento, não foi determinada. É interessante destacar que a massa corporal apresentada pelos espécimens pré-pupariados que não permitiram a emergência de imagos mostrou-se superior a 50 mg. Resultados parciais obtidos anteriormente, e registrados sob condições ambientais similares, sugeriram que C. macellaria pode modificar expressivamente suas respostas ao ser desafiada a alimentar-se em carne equina proveniente de diferentes matrizes.12,16 O estado nutricional e a classe etária dos animais necropsiados, além da localização anatômica do tecido muscular, nestes animais, devem atuar como um fator dietético interferente para os muscóides que utilizam suas carcaças como fonte alimentar. As modificações provocadas pela microbiota associada também influenciam o desempenho dos imaturos necrófagos.17,18 Cunha-e-Silva & Milward-de-Azevedo12 submeteram larvas recém-eclodidas a alíquotas de carne equina, previamente armazenadas em refrigerador, durante 11 dias. Ao abandonarem espontaneamente a dieta, as larvas apresentaram, em média, 46,90 mg, parâmetro acentuadamente inferior aos registrados no presente experimento. Ao utilizarem este substrato, previamente submetido a 30°C de temperatura, durante duas horas, e estabelecendo a relação inicial de 1 larva:1g de dieta, Aguiar-Coelho & Milward-de-Azevedo16 verificaram que a massa corporal média obtida pelos pré-pupariados foi de 68,9 mg. Ao usarem carne bovina como fonte alimentar, o valor estimado mostrou-se acentuamente inferior: 53,8 mg.15 Esta discussão, entretanto, é preliminar. Apenas a padronização rigorosa da fonte dietética e o reconhecimento da microbiota associada e dos aspectos químico-físicos do meio possibilitariam a interpretação das causas que potencializaram a variação observada, não apenas entre os diferentes experimentos, mas também entre os resultados obtidos neste bioensaio.

Figura 1. Taxa de emergência de Cochliomyia macellaria em função da massa incorporada por larvas maduras criadas em dietas a base de carne equinapreviamente armazenadas a 30 °C de temperatura, por duas a 96 horas,
e durante 11 días, em refrigerador (Temp. 30°C; 60 ± 10 U.R.; 14 h de fotofase).

A taxa de desenvolvimento e crescimento dos imaturos de C. macellaria criados na dieta a base de sardinha, previamente armazenada a 30°C de temperatura, durante o intervalo de duas a 48 horas, foi homogênea. Os espécimens pupariaram cerca de 4 dias após a inoculação das neolarvas nas dietas, nestes tratamentos. A massa corporal das larvas pós-alimentadas oscilou entre 57,24 e 64,19 mg, em média (Tabela 3). O número de larvas que abandonaram a dieta previamente mantida a 30°C, durante duas horas, apresentou-se expressivamente reduzido em duas das parcelas amostradas, resultando numa queda acentuada da taxa média de adultos emergentes (Tabela 4). Não ocorreu pupariação no interior dos recipientes contendo o meio alimentar. Por outro lado, a manutenção do substrato a 30°C, durante 72 horas, mostrou-se deletéria à incorporação de alimento, pela espécie. Embora tenha-se registrado uma alta taxa de sobrevivência de imaturos, neste tratamento, a massa corporal média apresentada pelas larvas maduras foi inferior a 50,0 mg. Observou-se, paralelamente, o incremento significativo da duração do estágio larval (Tabelas 3 e 4). A emergência ocorreu, aproximadamente, 4 dias após a pupariação dos espécimens, em todas as amostras monitoradas (Tabela 3).

Tabela 3. Duração do desenvolvimento pós-embrionário e massa corporal de larvas madu-
ras de Cochliomyia macellaria criadas em dieta natural à base de sardinha previamente
armazenada a 30 °C de temperatura, por diferentes períodos, sob condições experimentais
(Temperatura: 30 ° C; UR: 60 ± 10%; 14 h de fotofase)1


Massa corporal de larva madura (mg)
Tempo de
armazenamente
da dieta
a 30 °C (h)

Estágio larval
(días)
x ± S
Estágio pupal
(días)
x ± S
x ± S
Coeficiente
de
Variação (%)

  2 4,20 ± 0,20 a
4,05 ± 0,03 a
62,29 ± 1,48 a
4,77
24
           4,00 a
4,02 ± 0,02 a
64,19 ± 1,28 a
3,99
48 4,22 ± 0,16 a
4,22 ± 0,05 a
57,24 ± 2,26 a
7,88
72 5,05 ± 0,24 b
4,25 ± 0,15 a
49,39 ± 1,50 b
6,09
         

1 As médias seguidas pelas mesmas letras não diferem entre si, pelo teste de Tukey-Kramer de comparação múltipla, ao nível de 5% de significância.


 

Tabela 4. Taxa de sobrevivência, índice de anormalidade de adultos e razão sexual
de Cochliomyia macellaria criada em dieta natural a base de sardinha previamente
armazenada a 30 °C de temperatura, por diferentes períodos, sob condições
experimentais (Temperatura: 30 ° C; UR: 60 ± 10%; 14 h de fotofase)*


Tempo de
armazena-
mento da dieta
a 30°C (h)
Sobrevivência
larval
(%)
Pupal
Emergência de
adultos (%)
Adultos anormais
(%)
Razão
sexual

  2
73,5
92,2
68,5
1,46
0,43
24
94,0
93,8
88,0
1,14
0,54
48
90,5
93,4
82,0
1,22
0,53
72
89,5
86,7
77,5
1,29
0,58
           
* O teste F de Snedecor não apontou diferenças significativas entre as taxas de sobrevivência de imaturos e emergência de adultos, ao nível de 5% de significância.

As tendências refletidas pela quantidade de massa incorporada (mg) pelas larvas sobre o número de adultos formados, após a utilização de sardinha como fonte alimentar, foram destacadas na Figura 2. O desempenho dos muscóides, criados nas dietas processadas durante duas e 24 horas, mostrou-se similar. A redução significativa sofrida pelos espécimens ao utilizarem o substrato previamente submetido a condições controladas de temperatura, durante 72 horas, foi reproduzida.

Figura 2. Taxa de emergência de Cochliomyia macellaria em função da massa incorporada por larvas maduras criadas em dietas a base de sardinha previamente armazenadas a 30 °C de temperatura, por duas a 72 horas (Temp. 30 °C; 60 ± 10 U.R.; 14 h de fotofase).

A razão sexual foi próxima a 0,50, nas duas etapas experimentais. A taxa de anormalidade de adultos oriundos de larvas criadas em carne equina oscilou entre 0,5 e 7,0%; em sardinha, não excedeu 1,5%.

Os resultados sugeriram que a utilização da carne branca, em estágios ainda precoces de putrefação (períodos superiores a 24 - 48 horas de exposição prévia a 30 °C de temperatura), pode provocar a redução da taxa de desenvolvimento e crescimento de C. macellaria. Santos et al.10, 14 observaram que C. megacephala apresentaram a mesma tendência. Os resultados preliminares apresentados por Ribeiro & Milward-de-Azevedo11 relataram que a quantidade de massa incorporada pelas larvas de C. albiceps em dietas à base de carne equina é expressiva-mente maior do que aquela resultante do uso de carnes brancas. Os autores haviam, previamente, submetido os substratos a 30°C de temperatura, durante duas horas. Sugere-se, assim, que os sarcobiontes destacados nesta discussão podem usufruir de um expressivo gradiente nutricional alternativo durante a exploração de constituintes proteicos e energéticos ne-cessários à sobrevivência dos imaturos e às atividades repro-dutivas das imagos, mesmo que não otimizem o seu desempenho. Por outro lado, destaca-se que a caracterização da fonte alimentar natural utilizada pelas larvas de califorídeos necrófagos _a origem das carcaças, as condições de armazenamento e os processos de maturação destes substratos, e, se possível, a análise qualitativa e quantitativa da microbiota associada_ deve ser detalhada, para permitir diagnósticos biométricos comparados.


RESUMO

O desempenho dos imaturos de Cochliomyia macellaria (Fabricius) foi avaliado sob condições de laboratório. As larvas foram criadas em dietas a base de carne equina e sardinha, previamente armazenadas a 30°C de temperatura, por diferentes intervalos. As duas fontes alimentares foram, inicialmente, mantidas em freezer (-15°C) e, posteriormente, transferidas para um refrigerador, onde foram estocadas durante 24 horas. Após este período, foram sucessivamente expostas a 30°C por 96, 72, 48 e duas horas e, 72, 48, 24 e duas horas, respectivamente. Uma amostra de carne vermelha foi caraterizada pela manutenção apenas em refrigerador, durante 11 dias. Utilizaram-se 100 g de dieta por repetição/ tratamento, considerando-se a relação de 1 larva: 2 g de dieta. Após o abandono espontâneo das dietas, as larvas foram individualizadas, permitindo o registro unitário da massa corporal. A taxa de desenvolvimento pós-embrionário não foi homogeneamente afetada pela utilização da carne equina previamente armazenada a 30°C de temperatura. Um expressivo percentual de larvas maduras oriundas deste substrato, processado durante 48 e 96 horas, registrou massas corporais inferiores a 60,0 mg. A emergência de adultos oscilou entre 73 e 97%. A taxa de desenvolvimento pós-embrionário foi reduzida ao utilizar-se a dieta a base de sardinha previamente mantida a 30°C de temperatura por 72 horas. As larvas maduras oriundas desta dieta processada, nas condições previstas, por duas, 24 e 48 horas, apresentaram de 57,0 a 65,0 mg. A massa corporal média obtida pelos espécimens remanescentes foi significativamente menor (50,0 mg). A taxa de sobrevivência dos imaturos, criados em sardinha, oscilou entre 68-88%.

REFERÊNCIAS

1.- FERREIRA, M J M. Sinantropia de dípteros muscóides de Curitiba, Paraná, I. Calliphoridae. Revta Bras Biol, 38: 445-454, 1978.         [ Links ]

2.- FERREIRA, M J M. Sinantropia de Calliphoridae (Diptera) em Goiânia, Goiás. Revta Bras Biol, 43: 199-210, 1983.         [ Links ]

3.- BAUMGARTNER D L, GREENBERG B. Distribution and medical ecology of the blow flies (Diptera: Calliphoridae) of Peru. Ann Entomol Soc Am, 78: 565-587, 1985.         [ Links ]

4.- FERREIRA, M J M, LACERDA P V. Muscóides sinantrópicos associados ao lixo urbano em Goiânia, Goiás. Revta Bras Zool, 10: 185-195, 1993.         [ Links ]

5.- MENDES J, LINHARES A X. Atratividade por iscas e estágios de desenvolvimento ovariano em várias espécies sinantrópicas de Calliphoridae (Diptera). Revta Bras Ent, 37: 157-166, 1993.         [ Links ]

6.- D'ALMEIDA J M, LOPES H S. Sinantropia de dípteros caliptratos (Calliphoridae) no Estado do Rio de Janeiro. Arq Univ Fed Rur Rio de Jan, 6: 31-38, 1983.         [ Links ]

7.- WILLIAMS R W A. Study of filth flies in New York City - 1953. J Econ Entomol, 47 : 556-562, 1954.         [ Links ]

8.- MADEIRA N G, DIAS E S, MASCARENHAS C S. Contribuição ao conhecimento da fauna de Calliphoridae (Diptera) sinantrópicos de Pampulha, Belo Horizonte, Minas Gerais. Revta Bras Ent, 26: 137-140, 1982.         [ Links ]

9.- CARRARO V M. Descrição quantitativa de Chrysomya megacephala, Chrysomya albiceps e Cochliomyia macellaria (Diptera: Calliphoridae), no Campus da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, em função da utilização da isca à base de sardinha. 1995. Tese de Mestrado, Departamento de Parasitologia Animal, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 111p.         [ Links ]

10.- SANTOS M B dos, MARTINS C, MILWARD-DE-AZEVEDO E M V. Desenvolvimento pós-embrionário de Chrysomya megacephala (Fabricius) (Diptera: Calliphoridae) criada em dieta à base de sardinha previamente exposta, por diferentes períodos, a condições controladas. Arq Biol Tecnol, 39: 799-805, 1996.         [ Links ]

11.- RIBEIRO R C, MILWARD-DE-AZEVEDO E M V. Dietas naturais na criação de Chrysomya albiceps (Wiedemann, 1819; Diptera: Calliphoridae): Estudo comparado. Ciência Rural, 27: 641-644, 1997.         [ Links ]

12.-CUNHA-E-SILVA S L, MILWARD-DE-AZEVEDO E M V. Estudo comparado do desenvolvimento pós-embrionário de Cochliomyia macellaria (Fabricius) (Diptera, Calliphoridae) em duas dietas à base de carne, em laboratório. Revta Bras Zool, 11: 659-668, 1994.         [ Links ]

13.- NESPOLI P E B, QUEIROZ M M C, RIBEIRO E C, MILWARD-DE-AZEVEDO E M V. Desenvolvimento pós-embrionário de duas populações de Chrysomya albiceps (Wiedemann) (Diptera: Calliphoridae) criadas em carne em diferentes estágios de decomposição, em condições de laboratório. Revta Bras Ent, (no Prelo).         [ Links ]

14.- SANTOS M B dos, MARTINS C, MILWARD-DE-AZEVEDO E M V. Desenvolvimento pós-embrionário de Chrysomya megacephala (Fabricius) (Diptera: Calliphoridae) criada em dietas naturais processadas em condições controladas. Revta Bras Ent, (no Prelo).         [ Links ]

15.- AGUIAR-COELHO V M, MILWARD-DE-AZEVEDO E M V. Relações intra-específicas de Chrysomya albiceps,(Wiedemann), Chrysomya megacephala (Fabricius) e Cochliomyia macellaria (Fabricius) (Diptera: Calliphoridae), sob condições experimen-tais. Revta bras Ent, 40 : 35-40, 1996.         [ Links ]

16.- AGUIAR-COELHO V M, MILWARD-DE-AZEVEDO E M V. Associação entre larvas de Chrysomya megacephala e Chrysomya albiceps, e Chrysomya megacephala e Cochliomyia macellaria (Diptera: Calliphoridae), sob condições de laboratório. Revta Bras Zool, 12: 991-1000, 1995.         [ Links ]

17.- HIGHTOWER B G, SPATES Jr G E, GARCIA J J. Growth and critical size at pupation for larvae of the screwworm developing in fresh wounds. J Econ Entomol, 65: 1349-1352, 1972.         [ Links ]

18.- HANSKI I. Nutritional ecology of dung and carrion feeding insects. In: Slansky Jr F, J G Rodrigues, Eds. Nutritional Ecology of Insects, Mites, Spiders and Related Invertebrates: An Overview. N. Y., 837-884 p, 1987.         [ Links ]

 

 

 

 

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons