SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 número1-2Surface ultrastructure of Stictodora fuscatum (Trematoda: Heterophyidae) from Kuwait BayPeríodo pupal da Dermatobia hominis (Diptera:Cuterebridae) em condições de temperatura ambiente índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Parasitología al día

versão impressa ISSN 0716-0720

Parasitol. día v.24 n.1-2 Santiago jan. 2000

http://dx.doi.org/10.4067/S0716-07202000000100011 

Helmintofauna do cólon dorsal de equídeos provenientes
do estado de Pernambuco, Brasil

HELMINTHIC FAUNA OF THE DORSAL COLON OF EQUIDS FROM THE
PERNAMBUCO STATE, BRAZIL

MARTA P SOUTO MAIOR*, GERALDO M. DE CARVALHO JUNIOR** e CLAUDIA LEITE BARBOSA***

One thousand and five hundred and twenty one nematodes from dorsal colon of four equids naturaly infected from farms in Pernambuco State were identified. The total of 1.505 were identified as belongs to Cyathostominae subfamily distributed in 19 species: Cylicostephanus longibursatus, Cylicostephanus goldi, Cylicocyclus nassatus, Cyathostomum tetracanthum, Cylicocyclus insigne, Cylicostephanus calicatus, Coronocyclus labratus, Poteriostomum imparidentatum, Cyathostomum pateratum, Cylicocyclus leptostomus, Cylicocyclus radiatus, Coronocyclus coronatus, Cylicostephanus bidentatus, Cylicocyclus ultrajectinus, Cylicostephanus minutus, Poteriostomum ratzii, Cylicostephanus asymetricus, Parapoteriostomum euproctus, Cylicodontophorus bicoronatus in decrease order of prevalence. The most prevalent cyathostomes were C. longibursatus, C. goldi, C. nassatus, C. tetracanthum and C. insigne, all with of 100%. Five specimens were identified as belongs to Strongylinae subfamily distribued in two species: Triodontophorus tenuicollis and Craterostomum acudicaudatum
Key words: Cyathostominae, prevalence, mean intensity, equines.

Os equídeos são hospedeiros de uma grande variedade de helmintos que atingem a maturidade sexual no intestino grosso, particularmente os da família Strongylidae.

Os ciatostomíneos constituem o grupo de nematóides mais abundantes encontrados nos eqüinos, podendo chegar a 1.239.000 espécimes por hospedeiro1, 2, 3 e se distribuem de maneira específica diferente nos compartimentos do in testino grosso, desta forma, as infracomuni-dades do cólon dorsal são dominadas por Cylicostephanus longibursatus e Cylicostepha-nus goldi.2-7

O interesse pelos ciatostomíneos vem crescendo devido ao reconhecimento de uma nova síndrome causada pelos estágios larvares na mucosa do intestino grosso denominada ciatostomíase larval,8, 9 além do conhecimentode resistência antihelmíntica de algumas espécies.10

Este estudo foi realizado com o objetivo de avaliar a helmintofauna do cólon dorsal de equídeos naturalmente infectados provenientes do Estado de Pernambuco, Brasil.

O experimento foi conduzido no Laboratório de Doenças Parasitárias do Departamento de Medicina Veterinária da Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Quatro equídeos de raças e idades variadas foram necropsiados. O sistema digestivo foi separado em cólon ventral, cólon dorsal e ceco através de ligaduras. Cada compartimento intestinal foi aberto e o conteúdo foi colocado em cubas plásticas graduadas, onde adicionou-se o material obtido do raspado da mucosa. O volume total foi homogeinizado e medido. De cada compartimento coletou-se uma alíquota de 10%, que foi fixada em álcool-formalina-ácido acético (AFA) quente. Todos os nematóides macroscopicamente visíveis foram coletados, conservados em álcool 70o GL, contados e clarificados em fenol-álcool em diluições.11 A identificação seguiu a chave12 e a nomenclatura taxonômica foi atualizada.13 Os cálculos de prevalência e intensidade média de infecção foram feitos de acordo com Margolis et al.14

No cólon dorsal recuperou-se um total de 15.189 nematóides, destes, 1.521 foram montados em lâminas e identificados, encontrando-se 1.505 espécimes adultos pertencentes à subfamília Cyathostominae e cinco à Strongyli-nae. E ainda 18 larvas de ciatostomíneos e 11 de Oxyuris equi , além de 26 espécimes que foram considerados danificados.

Os ciatostomíneos estiveram distribuídos em 19 espécies, C. longibursatus, C. goldi, Cylico-cyclus nassatus, Cyathostomum tetracanthum, Cylicocyclus insigne, Cylicostephanus calicatus, Coronocyclus labratus, Poterios-tomum imparidentatum, Cyathostomum pateratum, Cylicocyclus leptostomus, Cylicocy-clus radiatus, Coronocyclus coronatus, Cylicostephanus bidentatus, Cylicocyclus ultrajectinus, Cylicostephanus minutus, Poteriostomum ratzii, Cylicostephanus asymetricus, Parapoteriostomum euproctus, Cylicodontophorus bicoronatus em ordem decrescente de prevalência.

C. longibursatus, C.goldi, C. nassatus, C. insigne e C. tetracanthum apresentaram prevalência de 100%.

As cinco espécies que apresentaram maiores intensidades média de infecção foram C. longibursatus (194,2), C. goldi (69,5), C. tetracanthum (24,5), C. minutus (23,0) e C. nassatus (22,0).

C. insigne apesar de ter apresentado prevalência de 100% não apresentou intensidade média de infecção significante (9,7), no entanto, os dados de prevalência aqui apresentados concordam com outros investigadores,4-7 os quais relatam que C. insigne é uma espécie predominante do cólon dorsal.

Os resultados do presente estudo concordam com outros investgadores2-4-7 os quais são unânimes quando relatam que C. longibursatus e C. goldi são as espécies que predominam no cólon dorsal e discordando com outros15 que afirmam que não há predominância de nenhuma espécie de ciatostomíneos neste compartimento.

Cinco espécimes pertencentes à subfamília Strongylinae foram recuperados, estes estiveram representados por duas espécies, Triodonto-phorus tenuicollis e Craterostomum acudicau-datum.

RESUMO

Foram identificados 1.521 nematóides recuperados das amostras correspondentes a 10% do conteúdo do cólon dorsal de seis equídeos naturalmente infectados provenientes do Estado de Pernambuco. Destes, 1.505 foram espécimes adultos da subfamília Cyathostomi-nae que estiveram distribuídos em 19 espécies, Cylicostephanus longibursatus, Cylicoste-phanus goldi, Cylicocyclus nassatus, Cyathostomum tetracanthum, Cylicocyclus insigne, Cylicostephanus calicatus, Corono-cyclus labratus, Poteriostomum imparidenta-tum, Cyathostomum pateratum, Cylicocyclus leptostomus, Cylicocyclus radiatus, Coronocy-clus coronatus, Cylicostephanus bidentatus, Cylicocyclus ultrajectinus, Cylicostephanus minutus, Poteriostomum ratzii, Cylicostepha-nus asymetricus, Parapoteriostomum euproctus, Cylicodontophorus bicoronatus em ordem decrescente de prevalência.

As espécies que apresentaram maior prevalência foram C. longibursatus, C. goldi, C. nassatus, C. tetracanthum e C. insigne com 100%.

Cinco espécimes pertenceram à subfamília Strongylinae, estes estiveram distribuídos em duas espécies, Triodontophorus tenuicollis e Craterostomum acudicaudatum.

Agradecimentos. Os autores agradecem ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), pelo apoio.

*Pesquisadora Desenvolvimento Científico Regional/ CNPq-UFRPE- Depto de Medicina Veterinária. Email: msoutomaior@zipmail.com.br
**Bolsista de iniciacao científica PIBIC/CNPq/UFRPE
***Mestrando do Programa de Pós Graduacao em Ciencia Veterinária _ UFRPE.

REFERÊNCIAS

1.- OGBOURNE C P, DUNCAN J L. Strongylus vulgaris in the horse: its biology and veterinary importance. 2nd edn. Comm Inst Parasitol Mic Pub N° 9 Slough, p 68, 1985.         [ Links ]

2.- OGBOURNE C P. The prevalence relative abundance and site distribution of nematodes of the subfamilia Cyathostominae in horse killed in Britain. J Helminthol 1976; 50: 203-14.         [ Links ]

3.- REINEMEYER C R. Small strongyles recent advances. Vet Clinic North Am Eq Pract 1986; 2: 281-312.         [ Links ]

4.- MFITILODZE M W, HUTCHINSON G W. The site distribuition of adult strongyle parasites in the large intestines of horses in Tropical Australia. Intern J Parasitol 1985; 15: 313-9.         [ Links ]

5.- KRECEK R C, REINECKE R K, HORAK I G. Internal parasites of horses on mixed grassveld and busveld in Transvaal Republic of South Africa. Vet Parasitol 1989; 34: 135-43.         [ Links ]

6.- GAWOR J J. The prevalence and abundance of internal parasites in working horses autopsied in Poland. Vet Parasitol 1995; 58: 99-108.         [ Links ]

7.- ANJOS D H S. Estrutura da Infracomunidades de estrongilídeos (Nematoda: Strongylidae) do Cólon Dorsal de Equus caballus Naturalmente Infectados, provenientes da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Tese de Mestrado, p. 64, 1998.         [ Links ]

8.- HERD R P. The changing world of worms: the rise of the cyathostomes and the decline of Strongylus vulgaris. Comp Cont Educ Pract Vet 1990; 12: 732-6.         [ Links ]

9.- MAIR T S. Outbrek of larval cyathostomiasis among a group of yearling and two-year-old horses. Vet Parasitol 1994; 79: 65-79.         [ Links ]

10.- COLES G C. Farm animal health in Europe and Threat posed by drog resistant parasites. Helminthologia 1994; 31: 105-9.         [ Links ]

11.- LICHTENFELS J R. Methods for conserving, storing and studying helminths in the U. S. National Parasite Colletion. In: Technology as applied to Museum Collections: The Collection, fixation and conservation of helminths. Syst Parasitol 1984; 6: 241-55.         [ Links ]

12.- LICHTENFELS J R. Helminths of domestic equine. Illustrated keys to genera and species with emphasis on North American forms. Proc Helminthol Soc Wash 12 (special issue): 92, 1975.         [ Links ]

13.- HARTWICH G. [On the Strongylus tetracanthus problem and the systematics of the Cyathostominea (Nematoda: Strongyloidea)]. Mih Zoo Mus Ber 1986; 62: 61-102.         [ Links ]

14.- MARGOLIS L, ESCH G W, HOLMES J et al. The use of ecological terms in parasitology (Report of na ad hoc Committe of the American Society of Parasitologists). J Parasitol 1982; 68: 131-3.         [ Links ]

15.- BUCKNELL D G, GASSER R B, BEVERIDGE I. The prevalence and epidemiology of gastrointestinal parasites of horses in Victoria, Australia. Internat J Parasitol 1995; 25: 711-24.         [ Links ]

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons