SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 número1PERCEPCION DE VIOLENCIA Y FACTORES ASOCIADOS SEGUN USUARIOS DE UN CONSULTORIO Y POSTAS DE SALUD. CONCEPCION, CHILEEFECTO DE UN TALLER VIVENCIAL DE ORIENTACION HUMANISTA EN LA AUTO-ACTUALIZACION DE ADOLESCENTES DE NIVEL SOCIOECONOMICO BAJO índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Ciencia y enfermería

versión On-line ISSN 0717-9553

Cienc. enferm. v.12 n.1 Concepción jun. 2006

http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95532006000100006 

CIENCIA Y ENFERMERIA XII (1): 53-60, 2006

ARTICULOS

 

TABAGISMO ENTRE TRABALHADORES DE UMA USINA SUCRO-ALCOOLEIRA NO BRASIL

TOBACCO SMOKING AMONG WORKERS FROM A SUGAR-ALCOHOL PLANT IN BRAZIL

TABAQUISMO ENTRE TRABAJADORES DE UNA USINA SUCRO-ALCOHOLERA EN BRASIL

 

RITA DE CÁSSIA DE MARCHI BARCELLOS DALRI*

* Enfermeira, alumna de Pós-Graduação (Mestrado) pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto–USP/ Brasil, Especialista em Saúde do Trabalhador. E-mail: ritacmbdalri@ bol.com.br


RESUMO

Realizou-se uma pesquisa em uma Usina Sucro-Alcooleira brasileira, para identificação do hábito do tabagismo entre parte de seus trabalhadores. O instrumento utilizado na pesquisa foi entrevista estruturada, sendo questionados 248 trabalhadores de 17 setores da área industrial. Espera-se que o estudo contribua para a abordagem da produtividade e do absenteísmo, principalmente relacionado aos problemas de saúde; nos diferentes setores questionados, considerando-se que é de interesse da empresa e de seus trabalhadores levando em consideração que tal hábito tem relação direta com suas qualidades de vida. Os resultados mostraram, que a maioria dos trabalhadores não fumava, seguidos dos que fumavam até 20 cigarros por dia e apenas 2 trabalhadores, ou seja, 0,81%, responderam que fumavam mais de 20 cigarros diariamente, evidenciando assim que o hábito do tabagismo prevaleceu entre a minoria dos trabalhadores pesquisados. Salienta-se que esses trabalhadores atuam em áreas de risco para incêndio.

Palavras-chave: Tabagismo, trabalhadores, saúde.

ABSTRACT

A survey was held in a Sugar-Alcohol Plant in Brazil in order to identify tobacco smoking habits among its workers. The method was a quiz interview, whereas 248 workers from 17 different sectors of the company were interviewed. This information is expected to contribute to studies of productivity and absenteeism from work, in particular those related to health problems in the sectors where the interviews were carried out. Therefore, this study is of the foremost interest for the company and its workers, considering that such habit has a close relationship to their quality of life. The results have shown that the majority of the workers do not smoke, followed by those who smoke up to 20 cigarettes a day. Only 2 workers (0,81%) reported that they smoke more than 20 cigarettes a day, showing that the tobacco smoking habit prevails only among a small fraction of the interviewed workers. These data should be taken into consideration since most of them work in fire risk areas.

Keywords: Tobacco smoking, workers, health.

RESUMEN

Se realizó una encuesta en una Usina Sucro-Alcoholera en Brasil, para identificación del hábito del tabaquismo entre algunos de sus trabajadores. El método utilizado en la encuesta fue la entrevista estructurada, siendo entrevistados 248 trabajadores de 17 sectores de la área industrial de la empresa. Con tal información se esperó contribuir para el abordaje de la productividad y del ausentismo principalmente relacionado a problemas de salud; en los diferentes sectores cuestionados, siendo por lo tanto este estudio, de interés para la empresa y sus trabajadores, teniendo en consideración que tal hábito tiene relación directa con sus cualidades de vida. Los resultados mostraron que la mayoría de los trabajadores no fumaba, seguidos de los que fumaban hasta 20 cigarrillos por día y apenas 2 trabajadores (0,81%) respondieron que fumaban más de 20 cigarrillos por día, evidenciando así que el hábito del tabaquismo prevaleció entre la minoría de los trabajadores encuestados. Se enfatiza que esos trabajadores actúan en el área de riesgo para incendio.

Palabras claves: Tabaquismo, trabajadores, salud.


1. INTRODUÇÃO

Atualmente tem-se observado um interesse por parte das pessoas, com relação à qualidade de suas vidas, o que inclui, naturalmente o seu ambiente de trabalho. Para Zambonatto, Pinheiro e Horta, et al (2004), a qualidade de vida do ser humano é expressa pela sua saúde física, mental e social. O homem não é um ser único e está em constante interação com o meio em que vive, ou seja, com sua família (USP, 1999), com seus colegas de trabalho, com a sociedade e com o meio ambiente propriamente dito. Tais interações evidenciam que a qualidade de vida assumida pelo indivíduo, não influencia somente a si mesmo, mas também a coletividade, segundo Ribeiro, Jardim, Laranjeira et al. (1999).

2. MATERIAL E MÉTODOS

O estudo é descritivo com análise quantitativa dos dados. Foi realizado em uma empresa sucro-alcooleira no Estado de Minas Gerais, Brasil. Seu total de trabalhadores é 2166, distribuídos nas áreas agrícola, industrial e administrativa. Constituíram-se sujeitos deste estudo 248 trabalhadores distribuídos em 17 setores, sendo estes: Administração Industrial, Tratamento e Concentração de Caldo, Tratamento e Concentração de Caldo - Apoio, Fabricação, Ensaque, Estocagem, Serviços Auxiliares, Fermentação e Destilaria, Estação de Tratamento de Água – ETA, Laboratório do Sistema de Pagamento de Cana pelo Teor de Sacarose – LSPCTS, Laboratório Industrial, Laboratório da Destilaria, Pátio Industrial, Moenda, Caldeira, Instrumentação Elétrica e Manutenção Mecânica.

Para a coleta de dados foi utilizado um questionário elaborado especificamente para a concretização deste estudo, abordando cinco questões que apontavam a situação sócio-demográfica do trabalhador e a quantidade de cigarros inalados por dia pelo mesmo. Antes de sua aplicação, realizou-se um pré-teste para verificação do nível de entendimento dos trabalhadores a serem pesquisados e um programa de conscientização para as chefias imediatas , visando informar o objetivo da realização do estudo e a importância de suas colaborações. O estudo foi realizado então, após o consentimento dos trabalhadores.

O questionário utilizado foi respondido pelos próprios trabalhadores e foi aplicado pela autora desse estudo. Informa-se que a ocasião da coleta de dados presente foi posterior a resolução 196/1996 do Conselho Nacional de Saúde e embora não tenha sido possível segui-la, por ter havido alguns obstáculos por parte da empresa na sua operacionalização, foram rigorosamente obedecidas as questões éticas vigentes no país, que até então referen-ciavam-se a Declaração de Helsinque de 1994 e suas versões posteriores de 1975,1983 e 1989 (Brasil, 1996; INCA 2004).

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

A população pesquisada composta por 248 trabalhadores, é 96,8% do sexo masculino e 3,2% do sexo feminino e apresenta faixa etária entre 19 e 53 anos.

A Tabela 1 demonstra a distribuição desses 248 sujeitos por setor.


O pátio industrial e moenda têm o maior número de trabalhadores, seguidos pelo setor de fabricação, caldeira, estocagem, fermentação e destilaria, manutenção mecânica, tratamento e concentração de caldo, instrumentação elétrica, tratamento e concentração de caldo- apoio, laboratório industrial, ensaque, laboratório do sistema de pagamento de cana pelo teor de sacarose, estação de tratamento de água, laboratório da destilaria e a minoria dos trabalhadores estão na administração industrial e serviços gerais .

A Tabela 2 apresenta a distribuição da incidência do hábito do tabagismo entre os sujeitos por setor de serviço da empresa em estudo. Os resultados demonstraram que 71,77% (178) nunca fumam, 27,42% (68) fumam até 20 cigarros por dia e 0,81% (2) fumam mais de 20 cigarros por dia. Ressalta-se que este padrão de comportamento torna-se muito importante, lembrando que o ambiente de trabalho desses indivíduos apresenta risco de incêndio.


A maioria respondeu que nunca fuma, seguidos dos que fumam até 20 cigarros por dia e somente dois trabalhadores responderam que fumam mais de 20 cigarros diariamente. Esses resultados evidenciaram a necessidade da elaboração de campanhas antitabagismo por parte da empresa já que a concentração de seus trabalhadores da área industrial, não possui este hábito, sendo portanto fumantes passivos.

O setor que concentra maior número de fumantes é o de estocagem (57,89%), local este que apresenta alto risco de incêndio, fator de grande relevância. Os resultados obtidos podem auxiliar no entendimento das causas de absenteísmo, do grau de produtividade, freqüência de adoecimentos e acidentes de trabalho e algumas situações que possam estar relacionadas ao elemento pesquisado. Tentou-se através deste estudo verificar se o hábito do tabagismo desenvolvido pelos trabalhadores, estava em concordância com as orientações preconizadas pela OMS, ou seja, que é saudável, não aderir a este hábito.

Concluiu-se que, a maioria dos trabalhadores pesquisados, está em concordância com as orientações feitas pela OMS, ou seja, o hábito do tabagismo traz malefícios para o organismo humano como um todo, e que este então, não deve fazer parte de seus hábitos.

4. CONCLUSÃO E SUGESTÕÉS

Os resultados obtidos demonstraram uma baixa incidência do hábito do tabagismo, direcionando assim ações, visando a conscientização dos trabalhadores, quanto aos malefícios causados pela utilização do cigarro, sugerindo assim a necessidade da implantação de programas específicos e freqüentes por parte da empresa, com o objetivo de esclarecer sua população, quanto à importância da manutenção de uma vida saudável, física, mental e socialmente falando, como é preconizado pela OMS.

O desenvolvimento desses programas específicos, pode ser elaborado e implementado pelo Serviço de Saúde Ocupacional da empresa, de forma a atingir toda população trabalhadora. A utilização de meios didáticos de comunicação e informação tais como, boletins informativos, revistas, jornais de circulação interna, entre outros, poderão ser adotados na empresa, além de meios que venham a ser elaborados posteriormente. O treinamento das chefias é de suma importância e deve ser exaustivamente perseguido, para que tenham uma percepção do trabalho, não somente quanto ao aspecto produtivo, mas também quanto aos aspectos econômico, familiar e comunitário.

A adoção de procedimentos que venham a influenciar o comportamento das pessoas no sentido de aprimorar sua qualidade de vida, servirá de prevenção de problemas decorrentes de hábitos indesejáveis ao ser humano, lembrando que um indivíduo devidamente esclarecido pode contribuir de forma positiva em sua comunidade e em seu ambiente de trabalho. Campanhas antitabagismo, alcoolismo, adoção de atividades físicas durante o período de trabalho são sugestões que podem e devem ser repensadas pela empresa.

 

5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Algranti, E. (2001). Tabagismo e ocupação: elo de exposições pouco explorado como estratégia de combate ao tabagismo. J. Pneumologia, vol. 27, nº 4, p.07. ISSN 0102-3586.         [ Links ]

Araújo, A.L.T. (2004). Qualidade de vida e desenvolvimento. PPGA, UFRGS. Recuperado em 10 de setembro de 2004: http://gestor.adm.ufrgs.Br/adp/montadoras.htlm         [ Links ]

Barros, M.V.G. & Nahas, M.V. (2001). Comportamento de risco, auto-avaliação do nível de saúde e percepção do estresse entre trabalhadores da indústria . Revista Saúde Pública, vol. 35, nº 6, p. 554-563. ISSN 0034-8910.         [ Links ]

Berlim, M.T. & Fleck, M.P.A. (2003). “Qualidade de vida”: Um novo conceito para a pesquisa e prática na psiquiatria. Revista Br. Psiquiatria, vol. 25, nº 4, p. 249-252. ISSN 1516-4446.         [ Links ]

Bom Sucesso, E.P. (1998). Trabalho e qualidade de vida Rio de Janeiro: Dunya.         [ Links ]

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde (1996). Resolução 196 de 10 deOutubro de 1996. Brasília.         [ Links ]

Brasil. Ministério da Saúde (1999). Decreto nº 3157. Recuperado em 12 de setembro de 2004: http://edisonmd.sites.uol.com.br/controle-br.htm.         [ Links ]

Brasil. Ministério da Saúde (1996). Lei Federal Nº 2.018 de 01/10/1996.         [ Links ]

Carvalho, L.M. T. & Pereira, E.D.B. (2002). Morbidade respiratória em crianças fumantes passivas. J. Pneumologia, vol. 28, nº 1, p. 8-14. ISSN 0102-3586.         [ Links ]

Casimiro, V. (2001). Tabagismo. Portal Aprende Brasil. Recuperado em 10 de setembro de 2004:http://www.aprendebrasil.com.br/entrevistas/entrevista0037.asp         [ Links ]

Costa E. Silva, V.L. & Koifman, S. (1998). Tabagismo na América Latina: problema Prioritário de Saúde Pública. Cad. Saúde Pública, vol. 14, supl. 3, p. 109-115. ISSN 0102-311X.         [ Links ]

Feitosa, T.M.P. & Meirelles, R.H.S. (1998). Falando sobre tabagismo. Recuperado em 13 de setembro de 2004: http://www.bireme.br/bvs/adolec         [ Links ]

Guatura, S.B., Martínez, J.B., Bueno, P.C.S. et al. (2000). Increased exhalation of Hydrogen peroxide in healthy subjects following cigarette consumption. São Paulo med. J., vol. 118, nº 4, pp. 93-98. ISSN 1516-3180.         [ Links ]

INCA-Instituto Nacional do Câncer. Tabagismo (2004). Recuperado em 10 de setembro de 2004: http://www.inca.gov.br         [ Links ]

INCA-Instituto Nacional do Câncer. Manual “Falando de tabagismo” (2004). Recuperado em 08 de setembro de 2004: http://medjunior.vilabol. uol.com.br/index.htm         [ Links ]

INCA-Ministério Da Saúde (2003). Recuperado em 10 de setembro de 2004: http://www.tetdigital.ubbi.com.br/saude/tabagismo.htm#topo         [ Links ]

Kroeff, L.R.; Mengue, S.S.; Schimidt, M.I. et al. (2004). Fatores associados ao fumo em gestantes avaliadas em cidades Brasileiras. Rev. Saúde Pública, vol. 38, nº 2, p. 261-267. ISSN 0034-8910.         [ Links ]

Marano, V.P. (1995). Programas médicos específicos preventivos na empresa. In: Vieira, S. I. Medicina Básica do Trabalho. Curitiba: Gêneses, vol. 4, p. 551-576.         [ Links ]

Marin, G.H.; Salgado, L.; Sager, G. et al. (2003). Efeitos do tabagismo na gestação para a mãe e para a criança. Revista Br. Saúde Mater. Infant. vol. 3, nº 2, p. 159. ISSN 1519-3829.         [ Links ]

Mendes, R. (2003). Patologias do trabalho. Rio de janeiro, Atheneu.         [ Links ]

Menezes, M.B.; Horta, B.L.; Oliveira, A.L. et al. (2002). Risco de câncer de pulmão, laringe e esôfago atribuível ao fumo. Rev. Saúde Pública, vol. 36, nº 2, p. 129-134. ISSN 0034-8910.         [ Links ]

Moreira, L.B.; Fuchs, F.D.; Moraes, R.S. et al. (1995). Prevenção do tabagismo e fatores associados em área metropolitana da região Sul do Brasil. Rev. São Paulo, vol. 29, nº 1, pp. 46-51. ISSN 0034-8910.         [ Links ]

Oliveira, S. (1997). A qualidade da qualidade: uma perspectiva em saúde do trabalhador. Cad. Saúde Publica, vol.13, nº 4, p. 625-634. ISSN 0102-311X.         [ Links ]

Pinto, G.R. & Botelho, C. (2000). Influência do tabagismo no sistema vascular materno-fetal: o estudo com dopplervelocimetria. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., vol. 22, nº 10, pp. 641-646. ISSN 0100-7203.         [ Links ]

Revista Droga e Família. Ano III, no15, 2002. Recuperado em 15 de setembro de 2004: http://www.antidrogas.com.br         [ Links ]

Ribeiro, S.; Jardim, J.R. de B.; Laranjeira, R.R. et al. (1999). Prevalência de tabagismo na Universidade de São Paulo, 1996, dados preliminares de programa institucional. Revista Assoc. Méd. Br., vol. 45, nº 1, pp. 39-44. ISSN 0104-4230.         [ Links ]

Segre, M. & Ferraz, F.C. (1997). O conceito de saúde. Rev. Saúde Pública, vol. 31, nº 5, pp. 538-542. ISSN 0034-8910.         [ Links ]

Teixeira, J.C. (2004). A legislação de saúde do trabalhador aplicável e vigente no Brasil Recuperado em 10 de setembro de 2004: http://www.mpt.gov.br/publicações/pub48html         [ Links ]

Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto.Comitê de Ética em Pesquisa da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto.(1999). Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. 44 pp.         [ Links ]

Wunsch-Filho, V.; Boffeta, P.; Colin, D. et al. (2002). Familial cancer aggregation and the risk of lung cancer. São Paulo Med. J., vol. 120, nº 2, p. 38-44. ISSN 1516-3180.         [ Links ]

Zambonato, A.M.K., Pinheiro, R.T., Horta, B.L. et al. (2004). Fatores de risco para nascimento de crianças pequenas para a idade gestacional. Rev. Saúde Pública, vol. 38, nº 1, pp. 24-29. ISSN 0034-8910.         [ Links ]

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons