SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número2ANÁLISIS DE LA PROFILAXIS ANTIMICROBIANA PARA LA PREVENCIÓN DE LA INFECCIÓN DEL SITIO QUIRÚRGICO EN UN HOSPITAL DE LA REGIÓN CENTRO OESTE DE BRASIL índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • En proceso de indezaciónCitado por Google
  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO
  • En proceso de indezaciónSimilares en Google

Compartir


Ciencia y enfermería

versión On-line ISSN 0717-9553

Cienc. enferm. vol.20 no.2 Concepción ago. 2014

http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95532014000200012 

 

INVESTIGACIONES

 

TUBERCULOSE E ANÁLISE ESPACIAL: REVISÃO DA LITERATURA1

TUBERCULOSIS AND SPATIAL ANALYSIS: LITERATURE REVIEW

LA TUBERCULOSIS Y ANÁLISIS ESPACIAL: REVISIÓN DE LA LITERATURA

 

Natália Sperli Geraldes Marin dos Santos*
Maria de Lourdes Sperli Geraldes Santos**
Silvia Helena Figueiredo Vendramini***
Tereza Cristina Scatena Villa****
Antonio Ruffino-Netto*****
Francisco Chiaravalloti Neto******
Luciano Garcia Lourenção*******
Alexandre Lins Werneck********

* Enfermeira, Coordenadora do Curso de Graduação em Enfermagem da União das Faculdades dos Grandes Lagos (UNI-LAGO). Email: nsperli@gmail.com
** Enfermeira, Professora do Departamento de Saúde Coletiva e Orientação Profissional, Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (DESCOP/FAMERP). Email: mlsperli@gmail.com
*** Enfermeira, Professora do Departamento de Saúde Coletiva e Orientação Profissional, Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (DESCOP/FAMERP). Email: silviahve@gmail.com
**** Enfermeira, Professora do Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo (EERP/USP). Email: tite@eerp.usp.br
***** Médico, Professor do Departamento de Medicina Social, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo (FMRP/USP). Email: aruffino@fmrp.usp.br
****** Engenheiro, Professor do Departamento de Epidemiologia, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo (FSP/USP). Email: fcneto@riopreto.com.br
******* Enfermeiro, Professor do Departamento de Epidemiologia e Saúde Coletiva, Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (DESC/FAMERP). Email: luciano.famerp@gmail.com
******** Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP). Email: alexandrewerneck@uol.com.br


RESUMO

Objetivo: Analisar no meio científico os artigos que abordem a tuberculose com o uso de ferramentas de sistema de informação geográfica (SIG) e a análise espacial. Método: Trata-se de um estudo de revisão bibliográfica, cuja fonte de busca foi o portal eletrônico da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), as bases de dados Scopus e Web of Knowledge (ISI) pelo portal da Coordenação de aperfeiçoamento de pessoal de nivel superior (CAPES). Os descritores utilizados foram tuberculose e análise espacial, tuberculose e sistema de informação geográfica e, tuberculose e características de residência. Realizou-se o ordenamento e a análise da bibliografia científica, de modo a avaliar e discutir aspectos relacionados ao uso das técnicas de análise especial para o controle da tuberculose. Resultados: Em relação ao enfoque abordado/discutido, as principais categorias foram: "Situação epidemiológica" (51,0%) e "área de risco de transmissão" (21,6%). As principais conclusões referem-se às incidências elevadas de tuberculose em áreas de pobreza, aglomerado de casos, associação com superlotação, identificação de bacilo por genotipagem, associação com níveis socioeconómicos e demográficos, utilização de sistemas de informação geográfica (SIG) para melhoria da acessibilidade as ações de atenção primária a saúde.

Conclusões: Análise espacial ajuda a evidenciar a subnotificação de agravos e obter taxas mais fidedignas por meio do mapeamento dos casos, contribuindo para o avanço na gestão pública e diminuição das iniquidades em saúde, além de permitir a otimização dos recursos materiais, financeiros e humanos. Os SIG e ferramentas de análise espacial representam grande avanço para o gerenciamento da tuberculose.

Palavras chave: Tuberculose, análise espacial, sistemas de informação geográfica.


ABSTRACT

Objective: To evaluate in scientific articles addressing tuberculosis about using geographic information systems (GIS) and spatial analysis tools. Method: Literature review, whose search source was the Virtual Health Library (VHL), Scopus and Web of Knowledge (ISI) through the data portal of the Coordenação pessoal aperfeiçoamento de pessoal de nivel superior (CAPES). Key search terms, tuberculosis and spatial analysis, geographic information system and tuberculosis and characteristics of residence were used in combination with the MeSH search terms. Planning and analysis of the scientific literature in order to evaluate and discuss issues related to the use of spatial analysis techniques for the control of tuberculosis, were conducted. Results: Concerning the approach addressed/discussed, the main categories were "epidemiological situation" (51.0%) and "area with risk of tuberculosis transmission" (21.6%). The main findings are related to the high incidence of tuberculosis in areas of poverty, cluster of cases, association with overpopulation, identification of bacillus by genotyping, association with demographic and socioeconomic levels, and use of geographic information systems (GIS) to improve accessibility of actions of primary health care. Conclusions: We concluded that the spatial analysis helps to highlight the underreporting on health damages and to obtain more reliable rates through the mapping of cases. It also contributes to improve public management and reduction of inequities in health, and allows the optimization of material, financial and human resources in health. The geographic information systems and the spatial analysis tools represent a considerable improvement in the management of tuberculosis.

Key words: tuberculosis, spatial analysis, geographic information system.


RESUMEN

Objetivo: Examinar en los artículos científicos que se ocupan de la tuberculosis el uso de sistemas de información geográfica (SIG) y herramientas de análisis espacial. Material y métodos: Revisión bibliográfica, cuya fuente de busqueda fue la Biblioteca Virtual en Salud (BVS), Scopus y Web of Knowledge (ISI) a través del portal de datos de la Coordenação de aperfeiçoamento de pessoal de nivel superior (CAPES). Los descriptores utilizados fueron: tuberculosis y análisis espacial, tuberculosis y sistema de información geográfica, tuberculosis y características de residencia. Se llevó a cabo la planificación y análisis de la literatura científica con el fin de evaluar y discutir aspectos relacionados con el uso de técnicas de análisis espacial para el control de la tuberculosis. Resultados: En relación al enfoque dirigido/discutido las principales categorías fueron: "situación epidemiológica" (51,0%) y "zona de riesgo de transmisión" (21,6%). Los principales hallazgos se refieren a alta incidencia de tuberculosis en áreas de pobreza, grupo de casos asociados a superpoblación, identificación del bacilo por genotipo, asociación con niveles demográficos y socioeconómicos, uso de sistemas de información geográfica para mejorar la accesibilidad a acciones de atención primaria de salud. Conclusiones: El análisis espacial ayuda a resaltar el subregistro de lesiones y obtener tasas más fiables mediante la asignación de casos, contribuyendo al avance en la gestión pública y la reducción de inequidades en salud, y permite la optimización de los recursos materiales, financieros y humanos. Los SIG y herramientas de análisis espacial representan un gran avance para el tratamiento de la tuberculosis.

Palabras clave: tuberculosis, análisis espacial, sistema de información geográfica (SIG).


 

INTRODUÇÃO

Os países em desenvolvimento enfrentam as desigualdades sociais, o aumento da pobreza, o crescimento desordenado das cidades e da população aliado à falta de acesso e o despreparo dos serviços de saúde, que dificultam o controle e o manejo da tuberculose e de outras doenças negligenciadas (1, 2).

A dinâmica das doenças infecciosas depende da distribuição espacial dos agentes infecciosos, dos hospedeiros e da probabilidade do encontro dos dois. A transmissão destas doenças a um indivíduo vulnerável diminui quando as distâncias são maiores entre os indivíduos. Isto caracteriza a transmissão da TB, doença que está propensa à agregação e aglomeração de casos (3).

Os sistemas de informação geográfica e a análise espacial são considerados, hoje, como uma importante ferramenta para o controle destas doenças (4). As técnicas mais utilizadas são: mapeamento de doenças, técnicas de aglomeração de casos, estudos da difusão, identificação de fatores de risco por comparação de mapas e análise de regressão (5).

Apesar de serem da década passada, são pouco utilizadas em saúde. Sua utilização é o começo para desenvolvimento de modelos para traçar os locais de risco de doenças(5), principalmente a tuberculose (TB), sendo um importante instrumento para o gerenciamento e planejamento de políticas de saúde (4).

O presente estudo tem por objetivo analisar no meio científico os artigos que abordem a TB com o uso de ferramentas de sistema de informação geográfica e a análise espacial, contribuindo para a identificação do conhecimento referente ao uso de técnicas de análise espacial para o controle da tuberculose.

MÉTODO

Trata-se de um estudo de revisão bibliográfica sobre tuberculose e análise espacial, ou relacionadas a esta temática, publicadas a no período de 2001 a 2010, no qual realizou-se a análise de conteúdo do assunto enfocado.

Para atender o objetivo proposto, realizou-se a revisão integrativa da literatura que consiste em busca exaustiva das produções existentes no meio científico que se remetem ao tema (6). Este método é o único que permite a combinação de diversas metodologias (pesquisa experimental e não experimental), e tem o potencial para desempenhar um papel mais importante na prática baseada em evidências (7). O objetivo desta prática é reunir todo o conhecimento científico produzido na literatura para a implementação na prática do trabalho e gerenciamento em saúde (8).

A pergunta que levou o desenvolvimento do estudo foi: "o que existe de conhecimento referente ao uso de técnicas de análise espacial para o controle da tuberculose?".

Para tal estudo, definiram-se os critérios de inclusão: publicações em qualquer idioma, no período de 2001 a 2010 e que apresentassem, nos resumos, conteúdos sobre o uso da análise espacial, dos sistemas de informação geográfica ou distribuição espacial da população para o controle da tuberculose.

Após esta etapa, iniciou-se a busca por meio do portal eletrônico da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), das bases de dados Scopus e Isi Web of Knowledge (ISI) pelo portal da Capes, em outubro de 2010. Os descritores foram "tuberculosis" AND "spatial analysis", "tuberculosis" AND "geographic information systems" e "tuberculosis" AND "residence characteristics". O total de publicações encontradas foi de 440 distribuídas da seguinte maneira: BVS, 180 publicações (7, 34 e 139, respectivamente), Scopus, 227 (25, 59 e 143, respectivamente) e ISI, 33 publicações (20, 12 e 1, respectivamente).

Excluíram-se 389 artigos devido a repetições nas buscas, período anterior ao estabelecido, tuberculose animal e abordagem de apenas um dos descritores. Foram utilizados, então, 51 artigos para esta revisão integrativa da literatura.

Todas as publicações selecionadas utilizam em sua metodologia a análise espacial e os sistemas de informação geográfica para avaliar e discutir aspectos relacionados à tuberculose.

A partir deste levantamento bibliográfico foi realizado o ordenamento e análise da bibliografia científica selecionada, de modo a avaliar e discutir os principais aspectos apresentados nos estudos com relação à temática tuberculose e análise espacial, considerando a distribuição das publicações segundo o período de publicação e idioma, periódico de publicação, categorias de análise e enfoques dos resultados e, em cada publicação a fonte e título do estudo e as principais conclusões.

Para o desenvolvimento do estudo não foi necessária a submissão ao Comitê de Ética em Pesquisa por se tratar de pesquisa bibliográfica, portanto de domínio público.

RESULTADOS

A Tabela 1 apresenta a distribuição das publicações por ano e idioma. A grande maioria dos estudos foi publicada em inglês (78,4%), seguido da língua portuguesa (13,7%). Houve um aumento de publicações sobre o tema a partir de 2006, com maior frequência de publicações nos anos de 2006 (13,7%), 2007 (11,8%), 2009 (11,8%) e 2010 (21,6%).

Em relação aos periódicos, os que mais publicaram sobre o tema foram: International Journal of Tuberculosis Lung Disease (21,6%), Tropical Medicine and International Health (9,8%), International Journal of Health Geographics (7,8%). Outros periódicos representaram 31,4% do total das publicações e apresentaram apenas 1 publicação por periódico (Tabela 2).

A Tabela 3 apresenta a distribuição das categorias de análise dos resultados e enfoque abordado/discutido nas publicações. A categoria "Situação epidemiológica" foi a mais constante, com 51,0%. Outra categoria que apresentou 21,6% das publicações foi "Área de risco de transmissão".

Tabela 1. Distribuição publicações por ano e idioma, 2001-2010.

Tabela 2. Número de publicação segundo periódicos.

Tabela 3. Publicações por tema e enfoque das publicações.

Na Tabela 4 é apresentada a distribuição das publicações segundo fonte/título, e principais conclusões. Os estudos analisados mostram achados/conclusões importantes como incidências elevadas de tuberculose em áreas de pobreza, aglomerado de casos, associação da doença com superlotação, identificação de bacilo de Koch por genotipagem, associação com níveis socioeconômicos e demográficos, utilização de SIG para melhoria da acessibilidade as ações de atenção primária a saúde.

Tabela 4. Distribuição das publicações segundo fonte/título e principais conclusões.










DISCUSSÃO E CONCLUSÕES

A análise espacial é considerada como importante instrumento de avaliação de doenças como a TB, pois ajuda a evidenciar a subnotificação de agravos e obter taxas fidedignas por meio do mapeamento dos casos. Estas técnicas contribuem para o avanço na gestão pública na diminuição das iniquidades em saúde, além de permitir a otimização dos recursos materiais, financeiros e humanos (9-11).

Segundo Tiwari et al. (12), a identificação de aglomerados de casos da TB pode ser útil para a vigilância da doença por identificar os fatores que contribuem para a sua disseminação e para o planejamento de políticas públicas viáveis para o seu controle. Este tipo de abordagem também contribui para demonstrar áreas com altas taxas de prevalência e incidência (13).

Vários estudos realizados em diversos países como Japão (13, 14), Índia (12, 15), Madagascar (3) e Portugal (16) associaram a epidemiologia da TB aos sistemas de informação geográfica. Álvarez-Hernández et al. (17) diz que os SIG e análise espacial são ferramentas úteis para detectar áreas de alto risco da TB e que estas podem ser vulneráveis devido ao baixo nível socioeconómico (13). Quanto mais grave as condições sociais e económicas piores são as condições de vida do indivíduo gerando um aumento da vulnerabilidade e, consequentemente, as chances do adoecimento por doenças com a TB (10, 16, 18).

Outra causa contribuinte para este fato é a questão do abandono do tratamento e superlotação dos ambientes, principalmente quando os níveis socioeconómicos são menores (3, 19). A qualidade da assistência prestada ao doente de TB também foi um fator determinante deste risco (19). Devido a estes fatores, a TB pulmonar é um problema potencial e os objetivos das decisões políticas relacionam-se à detecção de casos por meio da busca ativa, prevenção ou controle de TB nessas áreas consideradas de risco (3, 12).

Locais com grandes concentrações populacionais facilitam a transmissão da TB, sendo que bares, clínicas e igrejas apresentaram maior risco. Estas informações associado ao mapeamento pelo SIG podem identificar o deslocamento dos doentes, demonstrando o caminho e os locais por onde percorreram, além de identificar se estes possuem as mesmas cepas do Mycobacterium tuberculosis, contribuindo para identificar tais áreas de risco. Para a eficiência do planejamento das ações de controle da doença devem-se articular medidas intersetoriais com uma abordagem transdisciplinar (20, 21).

A migração populacional também interfere na prevalência da doença. Um estudo realizado em Pequim identificou quatro áreas com grande número de migração e maior densidade populacional e com maiores taxas de incidência e prevalência de TB (22). Managan et al. (18) examinou as disparidades nas características e taxas dos doentes de TB em asiáticos e brancos não-hispânicos nos Estados Unidos. Ele revela que a probabilidade dos estrangeiros em adoecer é maior devido às condições de vida, pois a maioria vive em áreas com elevada densidade populacional, sem acesso aos serviços de saúde, baixa escolaridade vivendo em condições de pobreza (18, 22). Para diminuir estas disparidades devem-se realizar mais estudos que apontem as lacunas que contribuam para esta situação e sirvam para direcionar as equipes dos serviços de saúde e gestores (10, 18).

O uso de tecnologias como a análise espacial é um grande aliado para o controle e avaliação de doenças, principalmente a TB. Apesar de terem surgido na década passada, são pouco utilizadas na área da saúde devido à falta de conhecimento dos profissionais em lidar com tal tecnologia (9, 11, 23). Ela pode ser aplicada desde os procedimentos de rotina para a detecção de casos e localização de doentes (5, 23) quando aliado a um sistema de posicionamento global (GPS) para encontrar os faltosos, contribuindo para a redução do abandono, além de determinar possíveis áreas de risco de transmissão em áreas de difícil localização e acesso (24).

Outro fator que contribui para o agravamento da TB é coinfecção com o vírus HIV. Segundo Vendramini et al. (10) o padrão de risco é maior para as populações menos favorecidas, com baixos índices de condições de vida e em vivendo em situação de pobreza gerando um agravamento nas duas epidemias. Ressalta ainda que esta situação epidemiológica representa um desafio para o controle destas doenças.

Em relação a TB infantil, Middelkoop et al. (25) diz que ela está relacionada a prevalência da doença no adulto sendo assim um importante marcador para a transmissão devendo ser monitorada em ambientes com alta carga do bacilo. Por ter sinais e sintomas inespecíficos, a TB na infância tem um diagnóstico dificultado e consequentemente, leva um maior tempo para ser descoberta. A análise espacial contribui para quantificar a exposição à doença e expõe as principais causas relacionadas ao espaço geográfico (11).

Um estudo realizado na cidade de Veracruz, México, comparou a distribuição geográfica da TB antes e após a implantação da estratégia DOTS para avaliar o programa de controle da TB (26).

Concluiu-se que os sistemas de informação geográfica e as ferramentas de análise espacial constituem um importante instrumento para o monitoramento e a controle da tuberculose que representa, ainda, um grave problema de saúde pública no Brasil. Estes instrumentos, quando adequadamente utilizados, contribuem para avaliação e identificação de fatores de risco que devem ser considerados no planejamento das políticas de saúde, com o objetivo de melhorar os índices de diagnóstico, tratamento e cura da doença.

Conflito de interesse: Os autores declaram não haver nenhum tipo de conflito de interesse no desenvolvimento do estudo.

NOTAS

1 Suporte financeiro: Projeto multicêntrico "Retardo no diagnóstico da tuberculose: análise das causas em diferentes regiões do Brasil", Edital MCT/CNPq/CT-Saúde/MS/SCTIE/DECIT N° 034/2008, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP - processo N° 2008/07904-4 (mestrado no país), vigência 03/2009 a 02/2011.

REFERÊNCIAS

1. Motta MCS, Villa TCS, Golub J, Kritski AL, Ruffino-Netto A, Silva DF, et al. Access to tuberculosis diagnosis in Itaboraí City, Rio de Janeiro, Brazil: the patient's point of view. Int J Tuberc Lung Dis. 2009; 13(9): 1137-1141.         [ Links ]

2. Santos MSG, Villa TCS, Vendramini SHF, Cardozo-Gonzáles RI, Palha PF, Santos NSGM dos, et al. Gerência das ações de controle da tuberculose em municípios prioritários do interior paulista. Texto context- enferm. 2010; 19(1): 64-9.         [ Links ]

3. Randremanana RV, Richard V, Rakoto-manana F, Sabatier P, Bicout DJ. Bayesian mapping of pulmonary tuberculosis in Antananarivo, Madagascar. BMC Infect Dis. 2010, 10: 21.         [ Links ]

4. Chronaki CE, Berthier A, Lleo MM, Esterle L, Lenglet A, Simon F, et al. A satellite infrastructure for health early warning in post-disaster health management. Stud Health Technol Inform. 2007; 129(1): 87-91.         [ Links ]

5. Tsai PJ, Lin ML, Chu CM, Perng CH. Spatial autocorrelation analysis of health care hotspots in Taiwan in 2006. BMC Public Health. 2009; 9: 464.         [ Links ]

6. Pompeo DA, Rossi LA, Galvão CM. Revisão integrativa: etapa inicial do processo de validação de diagnóstico de enfermagem. Acta Paul Enferm. 2009; 22(4): 434-438.         [ Links ]

7. Whittemore R, Knafl K. The integrative review: updated methodology. J Adv Nurs. 2005 Dec; 52(5): 546-553.         [ Links ]

8. Ursi ES, Galvão CM. Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. Rev Lat Am Enfermagem. 2006; 14(1): 124-31.         [ Links ]

9. Hino P, Villa TCS, Sassaki CM, Nogueira J de A, Santos CB. Geoprocessing in health area. Rev Lat Am Enfermagem. 2006; 14(6): 939-43.         [ Links ]

10. Vendramini SHF, Santos NSGM dos, Santos MLSG, Chiaravalloti Neto F, Ponce MAZ, Gazetta CE, et al. Análise espacial da co-infecção tuberculose/HIV: relação com níveis socioeconómicos em município do sudeste do Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 2010; 43(5).         [ Links ]

11. Sales CMM, Figueiredo TAM, Zandonade E, Maciel ELN. Spatial analysis on childhood tuberculosis in the State of Espírito Santo, Brazil, 2000 to 2007. Rev Soc Bras Med Trop. 2010; 43(4): 435-439.         [ Links ]

12. Tiwari N, Kandpal V, Tewari A, Ram Mohan Rao K, Tolia VS. Investigation of tuberculosis clusters in Dehradun city of India. Asian Pac J Trop Med. 2010; 3(6): 486-490.         [ Links ]

13. Onozuka D, Hagihara A. Geographic prediction of tuberculosis clusters in Fukuoka, Japan, using the space-time scan statistic. BMC Infect. Dis. 2007; 7: 26.         [ Links ]

14. Pang PTT, Leung CC, Lee SS. Neighbourhood risk factors for tuberculosis in Hong Kong. Int J Tuberc Lung Dis. 2010; 14(5): 585-592.         [ Links ]

15. Tiwari N, Adhikari CMS, Tewari A, Kandpal V. Investigation of geo-spatial hots-pots for the occurrence of tuberculosis in Almora district, India, using GIS and spatial scan statistic. Int J Health Geogr. 2006; 5: 33.         [ Links ]

16. Nunes C. Tuberculosis incidence in Portugal: spatiotemporal clustering. Int J Health Geogr. 2007; 6: 30.         [ Links ]

17. Álvarez-Hernández G, Lara-Valencia F, Reyes-Castro PA, Rascón-Pacheco RA. An analysis of spatial and socio-economic determinants of tuberculosis in Hermosillo, México, 2000-2006. Int J Tuberc Lung Dis. 2010; 14(6): 708-713.         [ Links ]

18. Manangan L, Elmore K, Lewis B, Pratt R, Armstrong L, Davison J, et al. Disparities in tuberculosis between Asian/Pacific Islanders and non-Hispanic Whites, United States, 1993-2006. Int J Tuberc Lung Dis. 2009; 13(9): 1077-1085.         [ Links ]

19. Randremanana RV, Sabatier P, Rakotomanana F, Randriamanantena A, Richard V. Spatial clustering of pulmonary tuberculosis and impact of the care factors in Antananarivo City. Trop Med Int Health. 2009; 14(4): 429-437.         [ Links ]

20. Wanyeki I, Olson S, Brassard P, Menzies D, Ross N, Behr M, et al. Dwellings, crowding, and tuberculosis in Montreal. Soc Sci Med. 2006; 63(2): 501-11.         [ Links ]

21. Murray EJ, Marais BJ, Mans G, Beyers N, Ayles H, Godfrey-Faussett P, et al. A multidisciplinary method to map potential tuberculosis transmission 'hot spots' in high-burden communities. Int J Tuberc Lung Dis. 2009; 13(6): 767-774.         [ Links ]

22. Jia ZW, Jia XW, Liu YX, Dye C, Chen F, Chen CS, et al. Spatial Analysis of Tuberculosis Cases in Migrants and Permanent Residents, Beijing, 2000-2006. Emerg Infect Dis. 2008; 14(9).         [ Links ]

23. Khovanov AV, Nechaev VI, Barkov VA. Geoinformation technologies in phthi-siology. Probl Tuberk Bolezn Legk. 2007; (2): 3-9.         [ Links ]

24. Dwolatzky B, Trengove E, Struthers H, McIntyre JA, Martinson NA. Linking the global positioning system (GPS) to a personal digital assistant (PDA) to support tuberculosis control in South Africa: a pilot study. Int J Health Geogr. 2006; 5: 34.         [ Links ]

25. Middelkoop K, Bekker LG, Morrow C, Zwane E, Wood R. Childhood tuberculosis infection and disease: a spatial and temporal transmission analysis in a South African township. S Afr Med J. 2009 Oct; 99(10): 738-43.         [ Links ]

26. Jacobson LM, Garcia-Garcia MDL, Hernandez-Avila JE, Cano-Arellano B, Small PM, Sifuentes-Osornio J, et al. Changes in the geographical distribution of tuberculosis patients in Veracruz, México, after reinforcement of a tuberculosis control programme. Trop Med Int Health. 2005; 10(4): 305-311.         [ Links ]

 

Fecha recepción: 18/06/12. Fecha aceptación: 21/03/14.

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons