SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 número2FACTORES BIOPSICOSOCIALES QUE SE RELACIONAN CON EL FUNCIONAMIENTO DE LAS FAMILIAS CON PACIENTES DEPENDIENTESCALIDAD DE VIDA EN ADULTOS POSINFARTADOS DE LA UNIDAD CARDIOVASCULAR DEL HOSPITAL DR. HERNÁN HENRÍQUEZ ARAVENA DE TEMUCO índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • En proceso de indezaciónCitado por Google
  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO
  • En proceso de indezaciónSimilares en Google

Compartir


Ciencia y enfermería

versión On-line ISSN 0717-9553

Cienc. enferm. vol.23 no.2 Concepción mayo 2017

http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95532017000200069 

INVESTIGACIONES

FATORES ASSOCIADOS À CARGA DE TRABALHO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: REVISÃO INTEGRATIVA

FACTORS ASSOCIATED WITH NURSING WORKLOAD IN THE INTENSIVE CARE UNITS: INTEGRATIVE REVIEW

FACTORES ASOCIADOS CON LA CARGA DE TRABAJO DE ENFERMERÍA EN LA UNIDAD DE CUIDADOS INTENSIVOS: REVISIÓN INTEGRADORA

Mayra Gonçalves Menegüeti 1  

Thamiris Ricci de Araújo 2  

Tatiana do Altíssimo Nogueira 3  

Francine Sanchez Gülin 4  

Ana Maria Laüs 5  

1Doutoranda da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Brasil. Email: mayramenegueti@usp.br

2Doutoranda da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Brasil. Email: thamirisricci@ yahoo.com.br

3Mestranda da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Brasil. Email: tatiananogueira@ yahoo.com.br

4Mestranda da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Brasil. Email: fran_gulin@hotmail. com

5Professora Associada da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Brasil. Email: analaus@ eerp.usp.br

RESUMO

Objetivo:

Identificar as evidências disponíveis na literatura nacional e internacional sobre fatores associados à carga de trabalho de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva.

Método:

Trata-se de uma Revisão Integra tiva da Literatura realizada no período de janeiro de 2003 a dezembro de 2013. O levantamento dos estudos foi realizado nas bases de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde e Medical Literature Analysis and Retrieval System Online.

Resultados:

A amostra final consistiu de 16 artigos. A análise evidenciou que as variáveis que mais foram citadas como preditoras de maior carga de trabalho em Unidade de Terapia Intensiva foram o tempo de permanência na unidade, gravidade e desfecho. A idade do paciente não teve impacto na carga de trabalho na maioria dos estudos.

Conclusão:

Esta revisão possibilitou conhecer as va riáveis que tem sido objeto de investigação enquanto influência sobre carga de trabalho em Unidade de Terapia Intensiva sem, entretanto possibilitar que se afirme tal relação, necessitando novos estudos.

Palavras chave: Carga de trabalho; enfermagem; unidade de terapia intensiva

ABSTRACT

Objective:

This study aimed to evaluate the evidence available in the national and international literature on the factors associated with nursing workload in the Intensive Care Unit.

Method:

This is an Integrative Literature Review conducted from January 2003 to December 2013. The survey of studies was conducted on the basis of Latin American and Caribbean Literature Data on Health Sciences and Medical Literature Analysis and Retriev al System Online.

Results:

The final sample consisted of 16 items. The analysis of these showed that the variables that were mosly cited as predictors of increased workload in the Intensive Care Unit were the length of stay in the unit, severity and outcome. Patient age had no impact on the workload in most studies.

Conclusion:

This review has helped understand the variables that have received attention as influence on nursing workload in the Intensive Care Unit, although such relationship cannot be confirmed therefore further studies are needed.

Key words: Workload; nursing; intensive care units

RESUMEN

Objetivo:

Identificar la evidencia disponible en la literatura nacional e internacional sobre los factores asociados con la carga de trabajo de enfermería en Unidades de Cuidados Intensivos.

Método:

Se trata de una revisión integradora de la literatura realizada en el período enero de 2003 a diciembre de 2013. La búsqueda de estudios se realizó en las bases de datos de Literatura Latinoamericana y del Caribe en Ciencias de la Salud y en Medical Literature Analysis and Retrieval System Online.

Resultados:

La muestra final estuvo compuesta por 16 artícu los. El análisis mostró que las variables que más se citaron como predictoras de mayor carga de trabajo en las Unidades de Cuidados Intensivos fueron la duración de la estadía en la unidad, la gravedad y el resultado. La edad del paciente no tuvo impacto en la carga de trabajo en la mayoría de los estudios.

Conclusión:

La revisión permitió conocer las variables que han sido objeto de investigación en relación a la influencia en la carga de trabajo en Unidades de Cuidados Intensivos, pero sin permitir afirmar esta relación, lo que requiere estudios adicionales.

Palabras clave: Carga de trabajo; enfermería; unidades de cuidados intensivos

INTRODUÇÃO

A evolução tecnológica na Saúde atinge prin cipalmente unidades de alta complexidade como as Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e tem influenciado na mudança do perfil dos pacientes internados, que são altamente de pendentes, demandam elevada carga de tra balho de enfermagem, cuidados complexos, estão sujeitos a constantes alterações hemo-dinâmicas e iminente risco de morte1.

Este panorama tem chamado a atenção para a qualidade e segurança do paciente nes tas unidades. O número inadequado de pro fissionais de enfermagem tende a determinar a queda da eficácia e qualidade assistencial, prolongando a internação e aumentando os custos do tratamento2. A redução da equi pe de profissionais de enfermagem na tenta tiva de contenção dos custos, na maioria das vezes, ocorre sem planejamento, provocando impactos no cuidado ao paciente3. Além disso, uma equipe de enfermagem reduzida ocasiona sobrecarga de trabalho, o que é um fator restritivo ao trabalho multiprofissional4.

Assim, para um melhor planejamento, alocação, distribuição e controle do quadro de profissionais, torna-se fundamental im portância que a gerência de enfermagem ava lie a carga de sua equipe numa dada unidade assistencial5.

A carga média de trabalho da unidade é a soma do produto da quantidade média di ária de pacientes assistidos segundo o tipo de cuidado requerido, pelo tempo médio de assistência de enfermagem utilizada, por pa ciente, de acordo com o grau de dependência6.

O conhecimento e a mensuração da carga de trabalho de enfermagem é um dos indi cadores para realização do dimensionamen to do pessoal de enfermagem, em razão de se constituir uma variável importante para sua realização. A identificação dos fatores as sociados à carga de trabalho pode fornecer pistas valiosas para a determinação das ne cessidades de pessoal, bem como para a ges tão de cuidados de enfermagem em terapia intensiva7.

Embora alguns autores8 indiquem que a adição de variáveis clínicas dos pacientes à medida de carga de trabalho podem contri buir para melhorar as previsões de recursos humanos de enfermagem, não há clareza quanto as variáveis de consenso a serem con sideradas nesse processo.

Este estudo teve por objetivo identificar as evidências disponíveis na literatura nacional e internacional sobre os fatores associados à carga de trabalho de enfermagem em UTI.

MÉTODO

Trata-se de uma Revisão Integrativa (RI) da Literatura. Este método pode tornar os resul tados de pesquisas mais acessíveis, reduzindo alguns obstáculos da utilização do conheci mento científico, ao possibilitar ao leitor ter acesso a diversas pesquisas realizadas em um único estudo9.

A questão norteadora desta RI foi: "Quais fatores podem ser associados à carga de tra balho de enfermagem em UTI?".

O levantamento dos estudos foi realizado nos meses de janeiro e fevereiro de 2014, nas bases de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE) com a combina ção dos descritores: carga de trabalho; AND unidades de terapia intensiva (LILACS) e workload AND nursing AND intensive (MEDLINE).

Os critérios de inclusão estabelecidos nes ta seleção foram artigos que tivessem por objetivo relatar fatores associados à carga de trabalho de enfermagem em UTI, dispo níveis na íntegra, nos idiomas português e inglês, sendo estudos primários e publicados no período de janeiro de 2003 a dezembro de 2013. Os critérios de exclusão aplicados fo ram: revisões de literatura por serem estudos secundários, estudos que não atendessem ao objetivo do estudo, além de artigos não dis poníveis na íntegra.

A primeira seleção dos artigos foi feita pela leitura do título seguida da análise dos resumos por dois dos pesquisadores inde pendentemente, sendo que no caso de di vergência na inclusão do artigo, o mesmo foi lido na íntegra e um terceiro pesquisador revia a inclusão do artigo. Quanto aos artigos elegíveis, os mesmos foram lidos na íntegra por dois pesquisadores novamente, de forma independente e extraíram os dados previa mente definidos.

Para a coleta de dados foi utilizado um instrumento, construído pelos próprios au tores baseado em estudos de revisão disponí veis na literatura, que permitiu: 1) a identifi cação das publicações (título do artigo e do periódico, identificação do autor principal [instituição de origem e formação profissio nal], ano de publicação, e locais do estudo); 2) fatores associados e não associados à carga de trabalho de enfermagem; 3) característi cas metodológicas (objetivos do estudo, re sultados, limitações e conclusões).

RESULTADOS

A amostra final consistiu de 16 artigos, sendo que Figura 1 elucida o processo de inclusão, segundo recomendação do Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses (PRISMA) flowchart10.

A carga de trabalho em UTI é um assunto em evidência e alguns periódicos têm dado importância a esta temática, visto que a en fermagem vem argumentando de forma mais fundamentada que a inadequação numérica e qualitativa de recursos pode comprometer a assistência e segurança do paciente. Soma-se a este aspecto a questão relativa à Lei do Exercício Profissional de Enfermagem11, que estabelece como atividade privativa do enfermeiro o cuidado ao paciente grave e que pode ser compreendido como um determi nante na responsabilização pela assistência prestada.

Figura 1 Processo de inclusão dos artigos da revisão integrativa sobre carga de trabalho em unidade de terapia intensiva. 

Os principais resultados encontrados nes ta revisão seguem descritos no Quadro 1.

Quadro 1 Síntese dos estudos primários segundo autores, ano, objetivo, método, amostra e resultados (2003-2013) - Ribeirão Preto, SP, Brasil, 2014. 

A análise dos artigos evidenciou que as variáveis que mais foram citadas como pre-ditoras de maior carga de trabalho em UTI foram o tempo de permanência na unidade, gravidade e desfecho. Os pacientes que foram a óbito e também os de internação mais pro longada em UTI, provavelmente, foram os que apresentavam uma condição mais ins tável, com necessidade de acompanhamento rigoroso e múltiplas intervenções terapêuti cas e, como consequência, uma carga de tra balho superior17.

DISCUSSÃO E CONCLUSÃO

O paciente grave demanda maior carga de trabalho resultante de um maior tempo gasto em intervenções médicas e de enfermagem, observação e monitoramento dos sinais vi tais e resultados laboratoriais25. Estudo conduzido entre três subgrupos de pacientes: cardiológicos, neurológicos e clínico cirúr gicos gerais, encontrou correlação modera da entre a gravidade e carga de trabalho de enfermagem, apenas no grupo de pacientes neurológicos, o que sinaliza para a necessi dade de análises mais consistentes quanto as diferentes intervenções a que esses pacientes estão submetidos27.

Alguns autores questionam se a gravidade influencia o Nursing Activities Score (NAS) apenas na admissão ou durante a internação, uma vez que a maior demanda de cuidado nas 24 h pode ser atribuída a complexidade do quadro clínico do paciente. Nesse sentido, investigação conduzida em um hospital es pecializado no atendimento de pacientes em cardiopneumologia, encontrou média NAS nas primeiras 24 h de 82,4% e na segunda avaliação em 72 h valor médio de 58,1%. Tal dado se opõe a alguns estudos nos quais a gravidade do paciente nas 24 h, não influen ciou o aumento da carga de trabalho, a qual se mostrou associada ao tempo de internação e às complicações28.

Entretanto, os resultados de um estudo em uma UTI especializada em trauma que buscou os fatores relacionados a elevada car ga de trabalho, identificou sexo, complica ções clínicas e múltiplas intervenções como sendo aqueles que se associaram a um NAS elevado29.

Há de se considerar que a vivência diária dos profissionais de enfermagem em unida des de terapia intensiva provoca uma sen sação de que o paciente grave exige maior tempo de assistência, tanto na realização dos procedimentos rotineiros no momento da admissão, como durante sua permanência, em virtude das instabilidades orgânicas que se instalam ao longo de sua permanência nestas unidades15.

Por outro lado, outros autores discutem que o paciente em estado grave, inconscien te, imóvel e com todas as suas necessidades fisiológicas monitorizadas por suporte tec nológico, quando admitidos na UTI, podem requerer menos tempo de assistência de en fermagem quando comparados com pacien tes ansiosos, assustados, estressados com o ambiente e capazes de comunicar dor e des conforto30.

A idade do paciente, como fator associa do à carga de trabalho, não foi relatada em vários estudos como uma variável que tivesse impacto na carga de trabalho8,16,19,24, contrariando a percepção dos profissionais de enfermagem de que os idosos respondem menos a certas medidas terapêuticas e, por tanto, requerem mais cuidados22.

Ressalta-se que a relevância em identificar previamente os fatores associados à alta carga de trabalho de enfermagem em UTI é um re curso importante no momento da admissão do paciente, com vistas a estimar a carga de trabalho que o mesmo demandará e conse quentemente dimensionar os profissionais de enfermagem de modo a garantir a quali dade e eficiência do cuidado prestado19.

Além disso, para a realização do provi mento de quantitativo de pessoal adequado na UTI é exigido que os enfermeiros se apro priem de metodologias para a medida de carga de trabalho de enfermagem e identifi quem os fatores que a influenciam, a fim de serem bem sucedidos nas negociações com os administradores hospitalares.

A revisão dos estudos realizados até o mo mento possibilitou conhecer as variáveis que tem sido objeto de investigação enquanto influência sobre carga de trabalho de enfer magem em UTI sem, entretanto possibilitar que se afirme tal relação. No entanto, parece haver uma tendência dos estudos em elen-car como preditores de maior carga de tra balho em UTI o tempo de permanência na unidade, gravidade e desfecho. Os estudos de associação exigem o atendimento de alguns pressupostos para sua realização tais como estimar o tamanho da amostra e controle das variáveis de confundimento. Além disso, quando é objetivo da investigação generali zar os resultados encontrados, recomenda-se a realização de estudos multicêntricos. Em bora a consistência metodológica não tenha sido alvo de análise desta pesquisa, verificou--se que a maioria dos estudos selecionados não atendeu a estes requisitos na sua totali dade, razão pela qual instiga a necessidade de se realizar novas pesquisas que respondam à questão de investigação.

REFERÊNCIAS

1. Inoue KC, Matsuda LM. Dimensiona mento da equipe de enfermagem da UTI adulto de um hospital ensino. Rev. Eletr. de Enf. [Internet]. 2009 [citado 30 jan de 2014]; 11(1): 55-63. Disponível em: Disponível em: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v11/n1/v11n1a07.htmLinks ]

2. Queijo AF, Padilha KG. Nursing Activities Score (NAS): adaptação transcultural e validação para a língua portuguesa. Rev Esc Enferm USP 2009; 43: 1009-1014. [ Links ]

3. Tallier P. How many nurses are enough? A Pilot study measuring nursing care hou rs per patient day and patient outcomes. Aquichán. 2007; 7(1): 37-53. [ Links ]

4. Araujo Neto JD, Silva ISP, Zanin LE, An drade AP, Moraes KM. Profissionais de saúde da unidade de terapia intensiva: percepção dos fatores restritivos da atu-ação multiprofissional. Rev Bras Pro-moç Saúde [Internet]. 2016 [citado 30 jan 2017]; 29(1): 43-50. Disponível em: Disponível em: file:///C:/Users/UFA013315/Downloads/4043-19176-1-PB%20(1).pdfLinks ]

5. Rogenski KE, Fugulin FMT, Gaidzinski RR, Rogenski NMB. Tempo de assistência de enfermagem em instituição hospita lar de ensino. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(1): 223-9. [ Links ]

6. Gaidzinski RR, Kurcgant P. Dimensiona mento de pessoal de enfermagem: vivên cia de enfermeiras. Nursing. 1998; 2(1): 28-34. [ Links ]

7. Lundgrén-Laine H, Suominen T. Nursing intensity and patient classification at an adult intensive care unit (ICU). Intensive Crit Care Nurs. 2007; 23: 97-103. [ Links ]

8. Padilha KG, Sousa RMC, Queijo AF, Men des AM, Miranda DR. Nursing Activities Score in the intensive care unit: analysis of the related factors. Intensive Crit Care Nurs. 2008; 24: 197-204. [ Links ]

9. Whittemore R, Knalf K. The integrative review: updated methodology. J Adv Nurs. 2005; 52(5): 546-53. [ Links ]

10. Moher D, Liberati A, Tetzlaff J, Altman DG. PRISMA Group. Preferred repor ting items for systematic reviews and meta-analyses: the PRISMA statement. PLoS Med [Internet]. 2009 [citado 30 jan 2014]; 6(7): e1000097. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19621072Links ]

11. Lei N° 7.498. Dispõe sobre a regulamen tação do exercício da Enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da Re pública Federativa do Brasil. 26 Jun 1986 [citado 30 jan 2014]. Seção 1. Disponí vel em Disponí vel em http://www.cofen.gov.br/lei-n-749886-de-25-de-junho-de-1986_4161. htmlLinks ]

12. Ducci AJ, Padilha KG, Telles SCR, Gutie rrez BAO. Gravidade de Pacientes e De manda de Trabalho de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva: Análise Evolutiva Segundo o TISS-28. Rev Bras Ter Intensiva. 2004; 16(1): 22-27. [ Links ]

13. Garcia PC, Gonçalves LA, Ducci AJ, Toffoleto MC, Ribeiro SC, Padilha KG. In tervenções terapêuticas em Unidade de Terapia Intensiva: análise segundo o The rapeutic Intervention Scoring System-28 (TISS-28). Rev Bras Enferm. 2005; 58(2): 194-199. [ Links ]

14. Ciampone JT, Gonçalves LA, Maia FOM, Padilha KG. Necessidades de cuidados de enfermagem e intervenções terapêuticas em Unidade de Terapia Intensiva: estudo comparativo entre pacientes idosos e não idosos. Acta Paul Enferm. 2006; 19(1): 28-35. [ Links ]

15. Balsanelli AP, Zanei SSSV, Whitaker IY. Relationships among nursing workload, illness severity, and the survival and len gth of stay of surgical patients in ICUs. Acta Paul Enferm. 2006; 19(1): 16-20. [ Links ]

16. Gonçalves LA, Garcia PC, Toffoleto MC, Telles SCR, Padilha KG. The need for nursing care in Intensive Care Units: daily patient assessment according to the Nursing Activities Score (NAS). Rev Bras Enferm. 2006; 59(1): 56-60. [ Links ]

17. Padilha K, Sousa R, Kimura M, Miyadahi-ra A, Dacruz D, Vattimo M, et al. Nursing workload in intensive care units: A study using the Therapeutic Intervention Sco ring System-28 (TISS-28). Intensive Crit Care Nurs. 2007; 23: 162-169. [ Links ]

18. Kiekkas P, Brokalaki H, Manolis E, Samios A, Skartsani C, Baltopoulos G. Pa tient severity as an indicator of nursing workload in the intensive care unit. Nurs Crit Care. 2007; 12(1): 34-41. [ Links ]

19. Gonçalves LA, Padilha KG. Fatores asso ciados à carga de trabalho de enferma gem em Unidade de Terapia Intensiva. Rev Esc Enferm USP. 2007; 41(4): 645-52. [ Links ]

20. Kiekkas P, Sakellaropoulos GC, Brokalaki H, Manolis E, Samios A, Skartsani C, et al. Nursing workload associated with fe ver in the general intensive care unit. Am J Crit Care. 2008; 17(6): 522-31. [ Links ]

21. Sousa CR, Gonçalves LA, Toffoleto MC, Leão K, Padilha KG. Predictors of nursing workload in elderly patients admitted to intensive care units. Rev Lat Am Enfer magem. 2008; 16(2): 218-23. [ Links ]

22. Sousa RMC, Padilha KG, Nogueira LS, Miyadahira AMK, Oliveira VCR. Nursing workload among adults, elderly and very elderly patients in the intensive care unit. Rev Esc Enferm USP. 2009; 43(Esp 2): 1284-91. [ Links ]

23. Inoue KC, Kuroda CM, Matsuda LM. Nursing Activities Scores (NAS): carga de trabalho de enfermagem em UTI e fatores associados. Cienc Cuid Saude. 2011; 10(1): 134-140. [ Links ]

24. Coelho FUA, Queijo AF, Andolhe R, Gon çalves LA, Padilha KG. Carga de trabalho de enfermagem em unidade de terapia intensiva de cardiologia e fatores clínicos associados. Texto contexto-enferm. 2011; 20(4): 735-41. [ Links ]

25. Queijo AF, Martins RS, Andolhe R, Oli veira EM, Barbosa RL, Padilha KG. Nur sing workload in neurological intensive care units: Cross-sectional study. Intensi ve Crit Care Nurs. 2013; 29(2): 112-6. [ Links ]

26. Carmona-Monge FJ, Jara-Pérez A, Quirós-Herranz C, Rollán-Rodríguez G, Cer rillo-González I, García-Gómez S, et al. Assessment of nursing workload in three groups of patients in a spanish ICU using the nursing activities score scale. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(2): 331-6. [ Links ]

27. Siqueira EMP, Ribeiro MD, Souza RCS, Machado FS, Diccini S. Correlação entre carga de trabalho de enfermagem e gra vidade dos pacientes críticos gerais, neu rológicos e cardiológicos. Esc Anna Nery. 2015; 19(2): 233-238. [ Links ]

28. Oliveira LB, Rodrigues ARB, Püschel VAA, Silva FA, Conceição SL, Béda LB, et al. Avaliação da carga de trabalho no pós-operatório de cirurgia cardíaca segundo o Nursing Activities Score. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(Esp): 80-86. [ Links ]

29. Nogueira LS, Domingues CA, Poggetti RS, Sousa RMC. Nursing Workload in Inten sive Care Unit Trauma Patients: Analysis of Associated Factors. PloS One [Inter net]. 2014 [citado 30 jan 2015]; 9(11): e112125. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25375369Links ]

30. Adomat R, Hewison A. Assessing patient category/dependence systems for deter mining the nurse/patient ratio in ICU and HDU: a review of approaches. J Nurs Manag. 2004; 12 (5): 299-308 [ Links ]

Recebido: 17 de Setembro de 2015; Aceito: 30 de Dezembro de 2016

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons