SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 número2Esterco bovino líquido em luvissolo sódico: Resposta biométrica e produtiva do maracujazeiro amareloTeste de condutividade elétrica para sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Idesia (Arica)

versión On-line ISSN 0718-3429

Idesia vol.29 no.2 Arica ago. 2011

http://dx.doi.org/10.4067/S0718-34292011000200009 

IDESIA (Chile) Volumen 29, Nº 2. Mayo-Agosto 2011, pp. 69-77

INVESTIGACIONES

 

Dinâmica de cátions na raiz e folhas de berinjela cultivada sobre doses crescentes de potássio oriundas de duas fontes

Dynamics of cations in the root and leaves of eggplant grown on increasing doses of potassium from two sources

 

Douglas José Marques1*, Fernando Broetto2, Ernani Clarete da Silva3, Janice Guedes de Carvalho4

 

Trabalho de dissertação para obtenção do título de mestre em Agronomia-Horticultura do primeiro autor.

1 Departamento de Produção Vegetal-Horticultura, Faculdade de Ciências Agronômicas-UNESP, Caixa Postal 237, 18610-307, Botucatu - SP; douglasjmarques81@yahoo.com.br.
2 Departamento de Química e Bioquímica, IBB-UNESP, Caixa Postal 510, 18618-970, Botucatu - SP; broetto@ibb.unesp.br.
3 Universidade Federal de São João del Rei, Unidade de Sete Lagoas, Caixa Postal 56, 35701-970, Sete Lagoas - MG; clarete@ufsj.edu.br.
4 Departamento de Ciência do Solo, UFLA, Caixa Postal 3037, 37200-000, Lavras, MG; janicegc@ufla.br.

*Autor para correspondência


RESUMO

O presente trabalho foi conduzido no Departamento de Produção Vegetal, setor de Horticultura, da UNESP - Campus de Botucatu, SP com o objetivo de avaliar a dinâmica de nutrientes catiônicos na raiz e folha e efeitos na produção de matéria seca da raiz e parte aérea em berinjela cultivada sobre condições de doses crescentes de potássio oriundas de duas fontes distintas (KCl e K2SO4). O experimento foi disposto em delineamento de blocos casualizados, em esquema fatorial 2 x 4 (duas fontes de potássio: KCl e K2SO4 e quatro doses de cada fonte equivalente a, 250, 500, 750 e 1000 kg ha-1 de K2O) perfazendo oito tratamentos com três repetições. Para a condução do experimento, utilizou-se Latossolo Vermelho distroférrico de textura média (615 g de areia, 45 g de silte e 340 g de argila por quilograma de solo). As características avaliadas foram: condutividade elétrica do solo, massa de matéria parte aérea e raízes, teor e relação de K+, Ca2+ e Mg2+ nas raízes e folhas de berinjela. Conclui-se que fontes e doses excessivas de K2O afetaram a produção de massa de matéria seca da raiz e parte aérea assim como a condutividade elétrica. O acúmulo e a relação de Ca2+/K+, Mg2+/K+ foram afetados pelo aumento da concentração de K+ e o fertilizante que foi menos prejudicial foi o K2SO4.

Palavras chave: Inibição competitiva, massa de matéria seca, raiz, folha, cátions.


ABSTRACT

This study was conducted at the Department of Plant Production, Sector Horticulture, UNESP - Botucatu, SP, Brazil, in order to assess the dynamics of cationic nutrients in roots and leaves and effects on dry matter production of roots and shoots in eggplant grown on conditions of increasing doses of potassium from two distinct sources (KCl and K2SO4). The experiment was arranged in randomized blocks in factorial 2 x 4 (two sources of potassium, KCl and K2SO4 and four doses of each source equivalent, 250, 500, 750 and 1000 kg ha-1 K2O) comprising eight treatments with three replicates. For the experiment we used Oxisol medium texture (615 g of sand, silt 45 g and 340 g clay per kg soil). The characteristics evaluated were: soil electrical conductivity, mass of shoot and root material, content and ratio of K+, Ca2+ and Mg2+ in roots and leaves of eggplant. We conclude that excessive doses of sources of K2O affected the production of dry matter of roots and shoots, as well as electrical conductivity. The accumulation and the relationship of Ca2+/K+, Mg2+/K+ were affected by increased K+ concentration;  K2SO4 was the fertilizer that was less damaging.

Key words: Competitive inhibition, dry matter, root, leaf, cations.


 

Introdução

Entre várias hortaliças, a berinjela (Solanum melongena L.) tem sido plantada em condições de cultivo protegido, o qual possibilita um abastecimento contínuo e colheitas em períodos de baixa oferta do produto no mercado, alcançando por isso, preços mais competitivos. Porém, existem muitos problemas relacionados à adubação excessiva, levando o solo a um acúmulo de sais. Knott (1957) alertava para o perigo de se cometer erro fatal para as plantas devido à salinização da zona radicular provocada por esses nutrientes, em especial o K.

Apesar da água utilizada na irrigação nos cultivos protegidos ser de boa qualidade, a adição de fertilizantes, quando se utiliza a técnica de fertirrigação, a torna salina, aumentando o risco de salinização do solo (Blanco et al., 2002). As maiores limitações para o cultivo de berinjela estão relacionadas com a baixa disponibilidade de água e nutrientes no solo durante seu ciclo. A resposta desta espécie vegetal a fatores abióticos tais como salinidade e estresse hídrico, tem sido pouco estudada na cultura da berinjela (Oliveira et al., 2008).

No processo de absorção, as interações catiônicas nos sítios de adsorção e a concentração de íons nutrientes na solução do solo, constituem aspectos de importância na nutrição das plantas e produção das culturas (Khasawneh, 1971). A taxa de absorção de um nutriente pela planta depende dos cátions dissolvidos na solução de solo em equilíbrio dinâmico com os cátions do complexo de troca (Bull, 1986). A absorção de um nutriente é afetada também pela natureza dos cátions complementares, isto é, há influência de um íon adsorvido sobre a liberação de um outro, para a solução do solo, a partir da superfície trocadora, além das relações que envolvem os cátions no solo (Tisdale et al., 1985).

Na avaliação da capacidade potencial de fertilidade dos solos, devem ser ajustadas as relações entre cátions para a cultura, em vista das interações competitivas entre diferentes íons nutrientes que influem na disponibilidade e possibilidade de absorção da célula através da membrana (Epstein, 1975).

Em virtude da condição de salinização do solo, podem ocorrer desordens nutricionais, induzindo relações antagônicas entre nutrientes na planta, o que reduz significativamente os rendimentos das culturas (Grattans e Grieve, 1993). A elevação do teor de K no solo pode induzir desequilíbrio nutricional para as plantas (Hagin e Tucker, 1982). Essas interações também podem ocorrer entre os nutrientes na solução do solo, afetando a disponibilidade, quais sejam: antagonismo, inibição competitiva e inibição não competitiva, além de sinergismo (Malavolta, 1987), o que pode causar uma dinâmica diferenciada entre cátions nas folhas e raízes das plantas.  No entanto, pouco se conhece sobre as interações entre cátions causadas por doses em excesso de K2O induzidas por diferentes fontes (KCl e K2SO4). O principal uso do cloreto de potássio é como fertilizante na agricultura sendo a principal fonte de utilização o cloreto de potássio seguido do sulfato de potássio em menor escala. O sulfato de potássio tem um efeito menos salino que o cloreto de potássio. Seu índice salino por unidade de K2O é a metade do índice do cloreto de potássio, o que o torna mais indicado para solos com tendência à salinização (Nogueira et al., 2001).

Sendo assim, objetivou-se estudar a dinâmica de nutrientes catiônicos nas folhas e raízes e os efeitos na produção de matéria seca da parte aérea em berinjela cultivada sobre condições de salinidade.

Material e Métodos

O experimento foi realizado nas dependências do Departamento de Produção Vegetal-Horticultura-UNESP, Campus de Botucatu, São Paulo. O clima de Botucatu é classificado como Cwa, segundo a classificação internacional de Koppen (Cunha e Martins, 2009), que significa clima temperado quente, com chuvas no verão e seca no inverno, temperatura média do mês mais frio inferior a 17 ºC e do mês quente superior a 23 ºC , apresentando como coordenadas geográficas 22°51' de latitude sul, 48°26'de longitude oeste e altitude de 815 m. Utilizou-se a cultivar de berinjela denominada de Embu. O experimento foi disposto em delineamento de blocos casualizados, em esquema fatorial 2 x 4 (duas fontes de potássio: KCl e K2SO4 e quatro doses crescentes de cada fonte equivalente a 250, 500, 750 e 1000 kg ha-1 de K2O) perfazendo oito tratamentos com cinco repetições para a avaliação da condutividade elétrica do solo e três repetições para as demais características avaliadas. As doses crescentes de K2O foram indicadas com base nas recomendações do Boletim 100 (Raij et al. 1996) para a cultura da berinjela cujos tratamentos e equivalência em vasos estão descritos na Tabela 1. A equivalência por vasos foi calculada com base no teor percentual de K2O de cada fonte considerando-se 58% para a fonte KCl e 44% para a fonte K2SO4. Para a condução do experimento, utilizou-se Latossolo Vermelho Distroférrico (Embrapa, 1997) de textura média (615 g de areia, 45 g de silte e 340 g de argila por quilograma de solo), coletado na gleba "Patrulha" da FCA-UNESP, a uma profundidade de 0 a 20 cm para a análise química. O solo apresentava inicialmente as seguintes características: pH (4,1), matéria orgânica (17 g dm3), fósforo (2 mg dm3resina), potássio (0,2 mmolc dm-3), cálcio (2 mmolc dm-3) e magnésio (1 mmolc dm-3). O solo passou em peneira de 5 mm sendo acondicionados em vasos plásticos com capacidade para 32 L de solo. Os vasos apresentavam furos no fundo onde foi colocada uma camada de sombrite dobrada de 0,30 m para evitar perda de solo e para permitir a drenagem do excesso de água caso ocorresse. Os cálculos para a correção do solo seguiram recomendações de Raij et al., (1996), visando à elevação da saturação por bases a 80%, sendo necessário aplicar 6.000 t ha-1, equivalente a 96 g de calcário dolomítico (PRNT = 91%) por vaso. A adubação básica para nitrogênio e fósforo foi baseada nas recomendações de Raij et al., (1996) para a cultura da berinjela, para o N aplicou-se o equivalente a 3,2 g por vaso, na forma de sulfato de amônio. Para o P, utilizou-se 28,2 g de termofosfato máster por vaso. Utilizou-se metade da recomendação para adubação orgânica adicionando-se 10 t ha-1 de esterco de curral curtido, equivalente a 160 g por vaso. As adubações de cobertura tiveram início aos 15 dias após transplante (DAT), sendo realizadas quinzenalmente. A fonte de N usada na cobertura foi o nitrato de cálcio com a dose de (22,82 g por vaso) dividida em 14 aplicações. A adubação básica para o K foi feita a partir de duas fontes, cloreto e sulfato de potássio, conforme descrito na Tabela 1. Após a aplicação dos adubos, o solo foi umedecido durante 35 dias, necessária a reação química do corretivo e fertilizante. As mudas de berinjela foram produzidas em bandejas com 128 células com 6,0 a 6,2 cm de altura, com substrato composto por material inerte e livre de patógenos. O transplantio foi realizado no dia 22 de outubro de 2007 com uma muda por vaso, quando as mesmas apresentavam três a quatro folhas definitivas, o que ocorreu por volta dos 35 dias após a semeadura. Os vasos foram distribuídos com espaçamento de 0,63 m entre plantas e 1,0 m entre linhas. Os tensiômetros foram instalados no ponto médio do vaso a uma profundidade efetiva do sistema radicular 0,20 m, 0,30 m distância vertical da superfície do mercúrio na cuba até a superfície do solo (cm) e 0,15 m de distancia do colo da planta. A irrigação foi realizada manualmente para elevar à umidade do solo a capacidade de campo, a qual corresponde um potencial mátrico de aproximadamente -30 KPa. Durante o experimento, coletaram-se alíquotas de solução do solo, em intervalos de 7 dias. A solução foi coletada com auxilio de um extrator de solo instalado no ponto médio da profundidade efetiva do sistema radicular 0,15 m e 0,10 m de distancia do caule da planta. Para a determinação da C.E., utilizou-se condutivímetro digital (Lutron, mod. CD-4303). As leituras da C.E. foram corrigidas com base na umidade do solo.

Tabela 1. Tratamentos e equivalência em vasos com base nas duas fontes de K20, KCl e K2SO4.

A raiz e (folhas+caule) foram coletadas aos 50 e 120 dias após o transplantio (DAT), para a determinação massa secas da parte aérea (MMSPA). Os componentes foram secos em estufa a 70 °C, com ventilação forçada, até atingirem massa constante. As raízes foram separadas da parte aérea através de um corte no colo da planta, lavadas com água deionizada para retirar o excesso de solo aderido às raízes. A parte aérea+caule foi processada em conjunto. A análise química da raiz e folha foi conduzida conforme metodologia descrita por Malavolta et al. (1997), no laboratório de análise foliar do Departamento de Recursos Naturais - Ciência do Solo, FCA-UNESP - Campus de Botucatu, SP.

Os dados foram submetidos à análise de variância (teste F), aplicando-se o teste de regressão polinomial de segunda ordem, para os casos em que ocorreu efeito significativo, conforme recomenda Ferreira (1999).

Resultados e Discussão

Para todas as características avaliadas observou-se interação significativa entre os fatores (Tabelas 2, 3 e 4). A condutividade elétrica aumentou linearmente na medida em que se aumentaram as doses de K2O independente da fonte utilizada (Figura 1). Entretanto, observou-se que os valores de condutividade elétrica foram significativa superiores com o uso das doses de K2O (KCl) indicando maior aumento da salinidade do solo. Aos 50 DAT houve um decréscimo linear da massa de matéria seca da parte aérea (MMSPA) com o aumento das doses de K2O (K2SO4) sendo que o contrário foi encontrado com o aumento das doses de K2O (KCl) (Figura 2A). Provavelmente aos 50 DAT em termos de doses de K2O (KCl) a planta não tenha atingido o máximo de produção de MMSPA. Aos 120 DAT a produção de MMSPA aumentou com as doses K2O (K2SO4) até a um máximo 598,5 kg ha-1 de K2O o mesmo acontecendo até ao valor 711,5 kg ha-1 quando a fonte de K2O foi KCl quando iniciou-se decréscimo na produção de matéria seca. Estes resultados indicam uma provável resposta de estresse da planta ao aumento da salinidade do solo causado por uma dose maior do fertilizante potássico. Marques et al. (2010) encontraram resultados semelhantes quando analisaram produção de matéria seca da raiz em berinjela conduzida em solos com estresse salino induzido por excesso de sais de potássio no solo. Estes resultados podem ser explicados pela diferença de efeito de salinidade entre as duas fontes de K2O sendo que a fonte (K2SO4) com menor efeito. Como todos os fertilizantes, o K em qualquer forma que se apresente, aumenta o teor de sal na solução do solo. Enquanto a condutividade elétrica de soluções equimolares de vários sais de potássio aumenta na ordem KH2PO4<KNO3<KCl< K2SO4, a tolerância das plantas à salinidade cai na ordem KH2PO4>K2SO4>KCl> KNO3, observando que o K2SO4 é a exceção à regra de que a sensibilidade das plantas aos sais aumenta com a condutividade elétrica (Nogueira et al., 2001). Segundo Silva et al. (2001) a salinidade do solo provocada por dose excessiva de KCl reduziu o crescimento das raízes e da parte aérea em plantas de pimentão diminuindo, conseqüentemente, a absorção e o acúmulo de nutrientes. Aragão et al. (2009) concluíram que o estresse salino produziu efeito negativo para todas as características avaliadas em melão. Estes resultados corroboram os resultados encontrados por Souza et al. (2007), que descreveu o efeito negativo imediato da salinidade do solo sobre a produção da massa seca da parte aérea (caule e folhas) e da parte radicular em Physalis angulata da mesma família da berinjela.

Tabela 2. Quadrados Médio (QM) e Significância para a característica Condutividade Elétrica
em solos cultivado com berinjela e sob doses de potássio.

* Significativo ao nível de 5 %

Para teor de cátions nas raízes das plantas de berinjela (Figuras 3A, B, C) houve comportamentos distintos. Em termos de acúmulo de K+ (Figura 3 A) houve um ajuste quadrático para as doses de K2O (KCl) e linear K2O (K2SO4) observando-se que nas menores doses o acúmulo foi significativamente menor quando utilizou-se a fonte K2SO4. O ajuste linear mostra comportamento bem diferente de K+ que aumentou na medida em que se aumentaram as doses de K2O. Para acúmulo de Ca2+ nas raízes (Figura 3B) houve ajuste linear para a fonte K2SO4 e quadrático para a fonte KCl. Em termos de acúmulo de Mg2+ (Figura 3C), houve um ajuste linear considerando a fonte K2SO4 com decréscimo no teor na medida do aumento das doses até a um teor inferior ao acúmulo provocado pela fonte KCl, na maior dose do fertilizante, configurando interação significativa entre os fatores. Em termos gerais, com exceção do cátion Mg2+ o acúmulo de K+ e Ca2+ foram sempre maiores nas menores doses quando foi usada a fonte KCl, tendendo a se igualar nas maiores doses.

Tabela 3. Quadrados Médios (QM) e Significância para as características avaliadas:
Massa de Matéria Seca da Parte Aérea aos 50 Dias Após Transplantio (MMSPA 50 DAT),
Massa de Matéria Seca da Parte Aérea aos 120 Dias Após Transplantio (MMSPA 120 DAT),
teor de K, Ca e Mg na folha de berinjela.

Tabela 4 Quadrados médios(QM) e significância para as características avaliadas:
massa de matéria seca da raiz aos 50 Dias Após Transplantio (MMSR 50 DAT),
Massa de Matéria Seca da Raiz aos 120 Dias Após Transplantio (MMSR 120 DAT),
Teor de K, Ca e Mg na raiz de berinjela.

* Significativo ao nível de 5%

Os dados de massa de matéria seca da raiz aferidos aos 50 e 120 DAT (Figuras 4A e 4B) revelaram comportamentos distintos entre as duas fontes. Aos 50 DAT (Figura 4A) observou-se interação significativa entre os fatores onde nas menores doses a massa de matéria seca foi significativamente superior quando usado a fonte K2SO4. Por outro lado, a ajuste linear crescente para a fonte KCl e decrescente para a fonte K2SO4 permitiu teor estatisticamente igual nas maiores doses.

Figura 1. Valor médio da condutividade elétrica do solo (dS m-1)
coletado através de extrator de solução do solo, em função de fontes e doses de potássio,
durante o desenvolvimento da cultura da berinjela.

Figura 2. Média da massa de matéria seca das folhas+caule (MMSPA) coletada aos 50 DAT
(Figura A) e 120 DAT (Figura B) em função de fontes de potássio (KCl e K2SO4) e doses de potássio.

Os dados observados aos 120 DAT (Figura 4B) registraram aumento no valor de massa de matéria seca da raiz provavelmente em função do maior tempo de absorção de nutrientes. Entretanto, observa-se significativamente o maior valor nas menores doses de K2O (KCl) o que pode ser explicado pela maior facilidade de absorção de K2O (KCl) pelas plantas. Por outro lado, observou-se redução linear da massa de matéria seca da raiz na medida em que as doses de K2O (KCl) foram aumentadas diferindo do aumento das doses de K2O (K2SO4) que registrou comportamento quadrático (Figura 4B). A grande concentração de íons no solo, principalmente Na+ e Cl¯, pode causar a desequilíbrio na homeostase do potencial de água e desbalanço iônico na interface solo-planta e promover toxicidade no vegetal, afetando o seu crescimento e a produção de fitomassa (Asch et al., 2000), em conseqüência da redução da absorção de nutrientes minerais, como o potássio, cálcio e manganês (Lutts et al., 1999).

Figura 3. Concentração de K+ (Figura A), Ca2+ (Figura B), Mg+ (Figura C) nas raízes das plantas de berinjela
durante o período experimental em função de fontes de potássio (KCl e K2SO4) e doses de potássio.

Figura 4. Média da massa de matéria seca das raízes (MMSR) de berinjela em função de fontes de potássio
(KCl e K2SO4) e doses de potássio coletados aos 50 DAT (Figura A) e 120 DAT (Figura B).

Para o teor de K+ nas folhas verificou-se incremento superior para a fonte KCl quando comparado com a fonte K2SO4 (Figura 5A). No entanto, em se tratando da fonte K2SO4, o teor K+ aumentou em função das doses de K2O. Já para o fertilizante KCl não foi possível definir uma tendência definida de aumento ou decréscimo no teor de K+ nas folhas de berinjela.

Figura 5. Concentração de K+ (Figura A), Ca2+ (Figura B), Mg+ (Figura C) nas folhas das plantas de
berinjela durante o período experimental em função fontes de potássio (KCl e K2SO4) e doses de potássio.

Figura 6. Relação média do teor de cálcio/potássio (Figura A) e magnésio/potássio
(Figura B) nas raízes de plantas de berinjela em função de fontes de potássio (KCl e K2SO4) e doses de potássio.

Observou-se que o teor de Ca2+ nas folhas de berinjela foi superior para fonte K2SO4 quando comparado com a fonte KCl (Figura 5B). Contudo notou-se que para a fonte K2SO4 houve decréscimo no teor de Ca2+ nas folhas em função do aumento das doses de K2O. Já para o fertilizante KCl não foi possível definir decréscimo ou incremento de Ca2+. Estes dados sugerem que o estresse salino induzido pela fonte KCl não foi suficiente para afetar o teor de Ca2+ nas folhas. Em termos de teor de Mg2+ nas folhas houve diferenças significativas em função das fontes sendo que a fonte K2SO4 proporcionou maior teor desse nutriente (Figura 5C). Também foi possível notar que o aumento da salinidade do solo induzida pelas doses de K2O favoreceu resposta mais acentuada do teor de Mg2+ nas folhas. Estes resultados são concordantes com Hagin e Tucker (1982) que demonstraram que a elevação do teor de K+ no solo pode induzir desequilíbrio nutricional para as plantas. No presente experimento, a alta concentração de K2O na solução do solo pode ter propiciado a diminuição da absorção do Ca2+ e Mg2+, que competem pelo mesmo sitio de absorção.

As relações (Ca2+/K2O e Mg2+/K2O) revelaram importantes variáveis quando o objetivo foi avaliar o estresse mineral e seu efeito sobre a inibição competitiva de cátions. O incremento na salinidade do solo induzido pela duas diferentes fontes de potássio aplicadas  no solo (KCl e K2SO4) afetou as relações Ca2+/K2O e Mg2+/K2O nas raízes (Figuras 6A e 6B). Em se tratando de teor de Ca2+ e com relação à fonte KCl o aumento das doses de K2O provocou comportamento quadrático com tendência de redução na relação Ca/Mg a partir das maiores doses (Figura 6A). Entretanto para a fonte K2SO4, verificou-se que provavelmente o menor poder salino da fonte não interferiu no teor de Ca2+ sendo este registrando aumento da relação com o aumento das doses do fertilizante (Figura 6A). Para a relação Mg2+/K2O com referência ao tratamento K2O (KCl) não foi possível verificar resultados consistentes através da equação para o efeito do estresse de K2O (Figura 6B). No entanto para a fonte K2SO4, verificou-se que com o aumento das doses de K2O, diminui o teor de Mg2+ nas raízes de plantas de berinjela (Figura 5B). Trabalhos com sorgo têm reportado que as concentrações de magnésio podem permanecer constantes na parte aérea (Azevedo Neto et al., 2004) ou diminuir na parte aérea e nas raízes (Kawasaki et al., 1983) com o incremento do estresse salino.

Figura 7. Relação média do teor de cálcio/potássio (Figura A) e magnésio/potássio (Figura B)
em folhas de plantas de berinjela cultivadas em função de fontes de potássio (KCl e K2SO4) e doses de potássio.

A relação média do teor de cálcio/potássio (Figura 7A) e magnésio/potássio (Figura 7B) em folhas de plantas de berinjela foram altamente significativas. A relação Ca2+/K+ e Mg2+/K+ foi afetada pelas doses excesso de KCl e K2SO4. No presente experimento, a alta concentração de K2O na solução do solo pode ter induzida a menor absorção Ca+2 e Mg2+ (Figuras 7A e 7B). Malavolta (1980), explica que existem na literatura muitos relatos sobre o antagonismo entre macronutrientes catiônicos (K+/Ca2+/Mg2+) explicando que o aumento na concentração de um elemento pode diminuir a absorção do outro. Os resultados encontrados neste trabalho relacionados ao antagonismo entre o Ca2+ e Mg2+ foram em função do aumento das doses de K2O induzidas por diferentes fontes potássicas (KCl e K2SO4).

Conclusões

 A fonte sulfato de potássio, pode ser mais antagônica que a fonte KCl competindo de forma mais direta com o Mg2+ nas raízes das plantas de berinjela.

As doses em excesso de K2O afetam a produção de MMSPA e, o excesso de K+ induz inibição competitiva entre os cátions.

A fonte de K (K2SO4) é menos prejudicial quando em excesso em relação à fonte KCl.

Agradecimentos

A Coordenação de Aperfeiçoamento Pessoal de Nível Superior (Capes) pela concessão da bolsa para obtenção do título de mestre do primeiro autor.

Referências Citadas

Aragão, C. A. et al. 2009. Avaliação de cultivares de melão sob condições de estresse salino. Revista Caatinga, Mossoró. 22 (2): 161-169.        [ Links ]

Azevedo Neto, A. D. et al. 2004. Effects salt stress on plant growth, stomatal response and solute accumulation of different maize genotypes. Brazilian Journal of Plant Physiology, Campinas. 16 (1): 31-38.        [ Links ]

Asch, F.; Dingkuhn, M.; Dorffing, K. 2000. Salinity increases CO2 assimilation but reduces growth in field grown irrigated rice. Plant Soil. 218:1-10.        [ Links ]

Blanco, F. F.; Folegatti, M. V.; Nogueira, M. C. S. 2002. Fertirrigação com água salina e seus efeitos na produção do pepino enxertado cultivado em ambiente protegido. Horticultura Brasileira, Brasília. 20 (3): 442-446.        [ Links ]

Bull, L. T. 1986. Influência da relação K/(Ca + Mg) do solo na produção de matéria seca e na absorção de potássio por gramínea e leguminosa forrageiras. Piracicaba, (Tese -Doutorado) - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo. 107 p.        [ Links ]

Cunha, A. R.; Martins, D. 2009. Classificação climática para os municípios de Botucatu e São Manoel, SP. Irriga, Botucatu. 14(1): 1-11.        [ Links ]

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. 1997. Manual de métodos de análise de solo. Rio de Janeiro: CNPS.        [ Links ]

Epstein, E. 1975. Nutrição mineral das plantas: princípios e perspectivas. São Paulo: EDUSP, 341p.        [ Links ]

Ferreira, D. F. 1999. Sistema de análise de variância (Sisvar). versão 4.6. Lavras: Universidade Federal de Lavras.        [ Links ]

Grattans, S. R.; Grieve, C. M. 1993. Mineral nutrient acquisition and response by plants grown in saline environments. In: Pessarakli, M. (Ed). Plant and Crop Stress. Tucson: Marcel Dekker, p. 203-226.         [ Links ]

Hagin, J.; Tucker, B. 1982. Fertilization of dryland and irrigated soils. Advanced Series in Agricultural Sciences, Berlin: Springer-Verlag.12:188-198.         [ Links ]

Knott, J. E. 1957. Handbook for vegetable growers. John Wiley & Sons, London Chapman & Hall, 238 p.        [ Links ]

Kawasaki, T.; Akiba, T.; Moritsugu, M. 1983. Effects of high concentrations of sodium chloride and polyethylene glycol on the growth and ion absorption in plants: I. Water culture experiments in a greenhouse. Plant and Soil, Dordrecht. 75: 75-85.        [ Links ]

Khasawneh, F.E. 1971. Solution ion activity on plant growth. Soil Science Society of America Proceedings. 35(3): 426-436.        [ Links ]

Lutts, S.; Bouharmont, J.; Kinet, J. M. 1999. Physiological characterizations of salt-resistant rice (Oryza sativa L.) somaclone. Australian Journal Botanic. 47: 835 -849.        [ Links ]

Malavolta, E.; Vitti, G. C.; Oliveira, S. A. 1997. Avaliação do estado nutricional das plantas: princípios e aplicações. 2. ed. rev. atual. Piracicaba: POTAFÓS.        [ Links ]

Malavolta E. 1987. Nutrição mineral das plantas. In: Curso de Atualização em Fertilidade do Solo. Campinas: Fundação Cargill. 33-101.        [ Links ]

Malavolta, E. 1980. Elementos de nutrição mineral de plantas. São Paulo: Agronômica Ceres, 215 p.        [ Links ]

Marques, D. J.; Broetto, F.; Silva, E. C. 2010. Efeito do estresse mineral induzido por fontes e doses de potássio na produção de raízes em plantas de berinjela (Solanum melongena L.). Revista Caatinga, Mossoró. 23(3): 7-12.        [ Links ]

Nogueira, F. D.; Silva, E. B. E.; Guimarães, P. T. G. 2001. Adubação potássica do cafeeiro: sulfato de potássio. Washington, DC: SOPIB. 81 p.        [ Links ]

Oliveira, A. B. de; Hernandez, F. F. F.; Assis Junior, R. N. de. 2008. Pó de coco verde, uma alternativa de substrato na produção de mudas de berinjela. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza. 39(1): 39-44.        [ Links ]

Raij, B. Van et al. (Ed.). 1996. Recomendações de adubação e calagem para o estado de São Paulo. Boletim Técnico Instituto Agronômico de Campinas, Campinas, n. 100.        [ Links ]

Silva et al. 2001. Efeito do nitrogênio e potássio na nutrição do pimentão cultivado em ambiente protegido. Revista Brasileira de Ciência do Solo. 25(4): 913-922.        [ Links ]

Souza, N. k. R.; Júnior, J. P. A; Amorim, S. M. C. 2007. Efeito do estresse salino sobre a produção de fitomassa em Physalis angulata L. (Solanaceae). Revista. Acadêmica, Curitiba. 5(4): 379-384.        [ Links ]

Tisdale, S. L.; Nelson, W. L.; Beaton, J. D. 1985. Soil fertility and fertilizers. 4.ed. New York: MacMilan Publ., 754 p.        [ Links ]

Fecha de Recepción: 25 Octubre 2010. Fecha de Aceptación: 14 Abril 2011.

Correspondencia a: Departamento de Produção Vegetal-Horticultura, Faculdade de Ciências Agronômicas-UNESP, Caixa Postal 237, 18610-307, Botucatu - SP; douglasjmarques81@yahoo.com.br.

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons